Notícias

Temporários cada vez mais qualificados

Temporários cada vez mais qualificados

Um estudo global da consultora de recrutamento Michael Page traça o perfil dos profissionais temporários. 68% são detentores de formação superior ao nível de mestrado, doutoramento ou MBA.

29.04.2016 | Por Cátia Mateus


  PARTILHAR



A maioria dos profissionais que trabalham em regime temporário têm qualificações superiores. Mais especificamente, sete em cada vez (68%) trabalhadores temporários detêm licenciatura, mestrado ou doutoramento e também formações executivas como MBA. A conclusão é avançada pela multinacional de consultoria de recursos humanos Michael Page que inquiriu quatro mil empresários e profissionais, em 15 países, para traçar o perfil dos profissionais em regime de Trabalho Temporário a nível global.

O trabalhador temporário atual tem 42 anos, soma mais de 10 anos de experiência profissional, é pelo menos licenciado e pode exercer funções em qualquer um dos vários setores de atividade. O cenário é semelhante em Portugal e em qualquer outro dos 14 países - Alemanha, Austrália, Bélgica, Brasil, Chile, Espanha, França, Holanda, Irlanda, Itália, México, Portugal, Reino Unido, Suécia e Suíça - analisados pela Michael Page no âmbito do seu estudo. Na verdade, o recrutamento de profissionais temporários para exercer cargos de gestão dentro das organizações está a aumentar. Segundo o estudo, esta opção de contratação representa já 38% dos casos.

“A alteração do panorama do trabalho temporário exige que estes profissionais sejam cada vez mais flexíveis, autónomos e resilientes”, explica Sílvia Nunes, senior executive manager da Michael Page, acrescentando que “com a expansão do trabalho temporário e o facto deste ser cada vez mais encarado como uma oportunidade de crescimento profissional, as expectativas em relação aos profissionais estão também a aumentar, esperando-se que contribuam para a melhoria da colaboração e comunicação no local de trabalho”. Mais de oito em cada 10 profissionais inquiridos (82%) a nível global possuem, no mínimo, cinco anos de experiência profissional e 65% têm 10 anos ou mais anos de experiência. Em termos etários, 66% têm idade igual ou superior a 36 anos e 41% estão acima dos 46 anos.

Segundo a especialista, a média de idades de um trabalhador temporário rodará hoje os 42 anos. Uma faixa etária que para Sílvia Nunes “contrasta com a ideia generalizada de que este é um tipo de vínculo laboral mais comum entre jovens profissionais que procuram ainda adquirir experiência e afirmarem-se no mercado de trabalho”. Com efeito, nos últimos anos, fruto da crise económica que atirou para o desemprego inúmeros profissionais altamente qualificados, assistiu-se em Portugal a um aumento dos profissionais, por exemplo do sector da banca e área financeira, no Trabalho Temporário. Sílvia Nunes realça que não há restrições às áreas de atividade que adotam o este regime contratual, nem em Portugal nem noutros países.

“O regime de trabalho temporário é adotado por virtualmente todos as áreas de atividade do mercado global” explica ao mesmo tempo que realça que o inquérito conduzido pela Michael Page abrange profissionais em exercício de funções em mais de 15 setores. A maioria destes profissionais encontram-se inseridos nas áreas de Banking & Financial Services (13%), Industrial Manufacturing (11%), e Business Services e Tecnologia (9%, em ambos os casos). A merecer destaque está também o Sector Público, onde os perfis temporários já representam 7% a nível global, e áreas como a Saúde (6%), Property & Construction, Bens de Consumo e Retalho (5%, em cada um dos casos), Energia e Transportes (4%, em ambos os casos), Atividades Sem Fins Lucrativos (3%), Procurement & Supply Chain e Media & Publishing (2%, em cada uma das áreas) e Lazer (1%).

“As funções desempenhadas por colaboradores em regime de trabalho temporário são muito diversificadas dentro de cada área”, realça Sílvia Nunes. Banca e Finanças, por exemplo, recrutam perfis temporários para funções tão diversas como accountant, finance executive ou financial controller. Já a área tecnológica, gera oportunidades para gestores de projeto em regime temporário, business analysts ou procurement director.



OUTRAS NOTÍCIAS
Treinar a liderança no feminino

Treinar a liderança no feminino


O Glow Woman Club (GWC), através da Glow Academy, a estrutura de formação da plataforma de apoio à criação de negócios promovidos por mulheres empreend...

Portugal a Recrutar: desafios do turismo e da saúde

Portugal a Recrutar: desafios do turismo e da saúde


O bom desempenho do Turismo nacional e aumento do número de empresas a operar nesta área, já gerou impactos visíveis ao nível da criação de emprego. No...

Criação de emprego na saúde a distintas velocidades

Criação de emprego na saúde a distintas velocidades


No início deste mês, um grupo de hospitais árabe esteve pela terceira vez em Portugal a contratar médicos para hospitais em Riade e Dammam, por salários que podem ati...



DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


ANALISTA DE SISTEMAS NAVISON

Spring Professional Portugal

CONSULTOR ERP

Spring Professional Portugal

CONSULTOR SAP LO/PP

Spring Professional Portugal