Notícias

Rede Freelancer chega a Portugal

A plataforma Freelancer.com, criada em 2009 pelas mãos do premiado empreendedor australiano Matt Barrie, já chegou a Portugal. O site assume como ambição, em seis meses, ajudar a criar 50 mil negócios no país e assim contribuir para a reduzir o desemprego nacional.
22.03.2013 | Por Cátia Mateus


  PARTILHAR



É já por muitos considerada a maior rede de outsourcing do mundo e acaba de apontar a sua mira também para o território português, numa altura em que taxa de desemprego nacional superou todas expectativas do Governo e ameaça continuar a subir nos próximos meses. O freelancer.com vai colocar acessíveis profissionais e projetos portugueses a uma escala global. Matt Barrie, mentor do projeto, fala em 50 mil novos negócios a criar, através da plataforma, em apenas seis meses. Nos últimos quatro anos, a plataforma Frelancer.com já se expandiu da Austrália à Turquia, Estados Unidos, Reino Unido, Holanda, Paquistão, Espanha, Brasil e vários outros mercados. Ao todo são mais de sete milhões de profissionais ligados entre si e quatro milhões de projetos contratados, dando a ganhar a freelancers e empresas mais de 811 milhões de euros. Uma receita de sucesso que Matt Barrie aplica agora a Portugal. Para o empresário, o timing não podia ser melhor. Barrie diz esperar que “o lançamento da versão portuguesa do site venha alavancar o empreendedorismo e fazer reduzir o desemprego nacional”. O conceito é simples e beneficia empresas ou negócios e trabalhadores. “Ao colocarem online o post de um projeto em desenvolvimento, as empresas têm imediatamente acesso a milhares de freelancers interessados em concretizá-lo”, garante Matt Barrie. O site permite a criação de novos negócios com acesso a uma força laboral mundial, tornando-se vantajoso para pequenas empresas portuguesas que podem posicionar-se no mercado internacional e vender os seus produtos ou serviços globalmente. Segundo o mentor a rede, o Frelancer.com cobra uma comissão de 3% por negócio firmado. Do lado dos trabalhadores, a plataforma também se reveste de um relevante potencial, permitindo a entrada num mercado mundial de oportunidades de trabalho, bem como “o acesso a milhares de projetos nas suas áreas de especialidade, com um sistema de pagamento justo e seguro”. Segundo o responsável, “a empresa vai pagando ao trabalhador consoante este vai concluindo as diferentes fases do projeto. O trabalhador recebe a cada tarefa concluída e entregue”. O CEO da rede Frelancer.com considera que o lançamento da plataforma em Portugal “vai ajudar pequenas empresas com grandes dificuldades a posicionarem-se no mercado internacional e a venderem os seus produtos ou serviços a outras empresas do mundo”. Um dos primeiros benefícios que os portugueses podem retirar da rede, é o lançamento da plataforma também no Brasil, “o maior mercado online de língua portuguesa que conta com mais de 220 milhões de pessoas”. Segundo Matt Barrie, “a plataforma agora lançada permite um crescimento dos negócios precisamente no momento em que os portugueses mais necessitam, para além de ainda contribuir para a redução do desemprego”. Diz Barrie que “como a taxa de desemprego jovem está próxima dos 40% em Portugal, existe uma oportunidade real para que as ideias criativas dos jovens sejam transformadas em negócios”. Até porque como defende o empreendedor australiano, “é a juventude quem lidera o avanço tecnológico e de negócios e os jovens portugueses merecem estar na linha da frente”.


OUTRAS NOTÍCIAS
700 mil oportunidades nas TIC

700 mil oportunidades nas TIC


Mas ser licenciado na área das tecnologias de informação não é apenas sinónimo de facilidade de emprego em Portugal A Comissão Europeia prevê que até 2015 o sector das Tecnologias de Informação e Comu...

UE abre vagas para estágios remunerados

UE abre vagas para estágios remunerados


A União Europeia (UE) está à procura de jovens talentos, licenciados em várias áreas, para a realização de estagios remunerados em diversas instituições. Os estágios terão lugar em diversas cidades eu...

45,5% das empresas querem contratar, mas de forma certeira

45,5% das empresas querem contratar, mas de forma certeira


O ambiente é de máxima austeridade, mas as empresas portuguesas continuam a desbravar caminho, tendo sobretudo como meta a expansão para novas geografias. Um esforço de conquista de mercado que está a...



DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS



ÚLTIMAS FORMAÇÕES


MMOG/LE V 5

RH OPCO Academia