Notícias

Engenheiros lideram remunerações

Engenheiros lideram remunerações

O mercado de trabalho nacional está em mudança, a começar pelas remunerações. Na semana em que o governo publica as novas tabelas de retenção na fonte e em que se debate o seu impacto no vencimento mensal dos portugueses, o Hay Group divulga um estudo que demonstra que os portugueses há muito que estão a perder rendimento mensal, desde que saem da universidade.
17.01.2013 | Por Cátia Mateus


  PARTILHAR



Economia, Gestão, Engenharia e Sistemas de Informação continuam a ser as áreas de formação mais bem remuneradas em território nacional. Ainda assim, um estudo salarial agora divulgado pela empresa de consultoria de gestão Hay Group, revela que a vida dos recém-licenciados nestas áreas também já esteve mais fácil no mercado de trabalho nacional. Seguindo a tendência da generalidade das áreas e funções, os salários praticados pelas empresas para os recém-graduados nestes sectores, sofreram quebras médias na ordem dos 10%, ao longo do último ano. Para os profissionais mais seniores, a tendência é de congelamento de salários e os aumentos, a acontecerem, garante Tânia Silva, manager do Hay Group, “estarão relacionados com a necessidade de reter pessoas-chave na organização e resolver problemas de equidade interna”. Um recém-licenciado em marketing não deverá auferir, no atual cenário económico do país, um salário médio mensal superior a 970 euros. Os valores têm como padrão a retribuição base e sobem para os 1000 euros mensais no caso da área de formação ser em Gestão ou Economia, 1090 euros para quem está habilitado a trabalhar com Sistemas de Informação e 1100 euros para os Engenheiros. Nas restantes licenciaturas, a média de remuneração praticada no mercado ronda os 860 euros mensais (ver tabela). Segundo Tânia Silva, os números espelham os valores médio de retribuição base pagos aos recém-licenciados, na sua maioria com graduados com o segundo ciclo de Bolonha. “O valor médio pago a um recém-graduado pelas empresas analisadas foi de 1.003 euros líquidos, o que representa uma descida de 10% face ao ano anterior”, explica a responsável do Hay Group. Para Tânia Silva, esta diminuição do nível remuneratório é o resultado direto do aumento do desemprego entre os jovens em Portugal. Num país onde o desemprego jovem já se aproxima perigosamente dos 40%, a pressão descendente dos salários é a causa mais natural. Uma tendência que é também aplicada aos estágios profissionais, onde “no ano passado se apurou uma descida de 11% face a 2011”. Segundo Tânia Silva, “os estágios são atualmente remunerados a uma média de 680 euros e a sua duração não ultrapassa os seis meses”. Já em matéria de vínculos contratuais para os recém-licenciados, a prática mais comum apurada pelo estudo do Hay Group é o contrato a prazo anual, compreendendo 14 salários mensais. Com painel de amostra maioritariamente constituído por multinacionais, Tânia Silva acredita que “embora muitos recém-graduados não consigam colocação nas maiores empresas, são estas que dão cartas em matéria de política retributiva e definem um padrão para o mercado”. Um padrão que se está apenas a alterar para os jovens que acabam de sair das universidades. Entre os perfis mais seniores a remuneração em Portugal também já viveu melhores dias e os cortes, não estão apenas relacionados com o aumento da carga fiscal imposta pelo Governo. Já no ano passado, os aumentos salariais nas empresas portuguesas não ultrapassaram em média os 0,3% e este ano permanecerão abaixo de 1%. A acompanhar esta redução, há também cortes nos designados benefícios extra-salariais. Plafonds de telemóvel e benefícios como o carro da empresa e os seguros de saúde poderão sofrer, segundo a consultora, ajustes. Entre as empresas inquiridas no estudo, 32% congelaram salários e 68% mantiveram os aumentos perto de 1% e nas empresas onde pontualmente o incremento salarial excedeu esta percentagens, as razões apontadas foram o desempenho excecional dos colaboradores ou a necessidade de reter talento. “O controlo de custos e as severas restrições orçamentais estão presentes no quotidiano das empresas”, explica a manager da consultora global que destaca uma redução da retribuição base na generalidade dos sectores. Uma tend~encia que, na perspetiva de Tânia Silva, deverá manter-se este ano ainda que 42% das empresas admitam realizar aumentos, já que têm orçamento disponível. Os diretores de segunda linha (quadros superiores) e os técnicos qualificados podem esperar, segundo o estudo, aumentos de 1,3 e 1,2%, respetivamente. Já os diretores executivos, não devem ver o seu salário subir além de 0,3%, enquanto os administrativos terão incrementos na ordem de 1%. Nos últimos anos, explica a especialista, as empresas têm substituído recursos, por questões de reforma ou saída voluntária, por outros mais baratos e face a orçamentos para aumentos reduzidos “a prioridade é ter equidade interna”. Mas Tânia Silva chama a atenção: a tendência para redução de salários tem consequências a longo prazo e muitas empresas estão já a braços com “problemas de desmotivação gravíssimos, gerados pela desigualdade da retribuição entre pessoas com funções semelhantes”. A amostra do estudo salarial do Hay Group, contemplo mais de 200 empresas que operam no mercado nacional. Cerca de 67% são multinacional, 55% têm um volume de negócios superior a 40 milhões de euros e 27% empregam mais de 400 colaboradores. Em relação a 2011, a consultora destaca o aumento do peso da componente variável do salário a uma média de 4%. Para reduzir custos, muitas empresas reduziram também os benefícios, passando estes a pesar 7% e não 13% como em 2011. Para compensar a estagnação salarial e o aumento da carga fiscal, muitas empresas estão a adotar os tickets de refeição ou de infância, para subsidiar os infantários dos filhos dos colaboradores. O relatório demonstra que o sector da energia foi o que em 2012 melhor remunerou os seus trabalhadores, mas numa abordagem global, a generalidade das empresas estão a adaptar os seus pacotes de remuneração.


OUTRAS NOTÍCIAS
Concurso para médicos e enfermeiros na calha

Concurso para médicos e enfermeiros na calha


O ministro da Saúde, Paulo Macedo, anunciou esta semana a intenção do Governo lançar novos concursos com vista à contratação de médicos e enfermeiros, sobretudo na área dos cuidados primários, para os...

Jornalistas em formação global

Jornalistas em formação global


Os próximos meses são de oportunidade para os profissionais da comunicação com aspirações de qualificação internacional. Até março há seis bolsas de formação abertas para jornalistas de todo o mundo, ...

Sabe quanto vai ganhar por mês com as novas tabelas de IRS?

Sabe quanto vai ganhar por mês com as novas tabelas de IRS?


Numa nota enviada às redações, as Finanças garantem que "não obstante a alteração verificada nas tabelas de retenção na fonte para o ano de 2013, estima-se que cerca de 80% dos sujeitos passivos que v...



DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


Diretor-Geral

FAROL ATT - Associação de Tratamento das Toxicodependências