Notícias

Engenharia aumenta popularidade

Engenharia aumenta popularidade

Há mais jovens interessados em carreiras na área das engenharias. Os dados da Direção-Geral do Ensino Superior relativos às colocações da primeira fase do concurso de acesso, esta semana conhecidos, demonstram que entre as 9037 vagas disponíveis para cursos nesta área, 6700 foram preenchidas nesta primeira fase.

11.09.2015 | Por Cátia Mateus


  PARTILHAR



Cerca de 74% das vagas nacionais disponíveis para cursos na área da engenharia foram preenchidas na primeira fase de candidaturas no concurso de acesso ao ensino superior, cujos resultados foram esta semana conhecidos. Os números divulgados pela Direção-Geral de Ensino Superior (DGES) revelam que às 9037 vagas disponíveis concorreram, como primeira opção, 7855 candidatos e 6700 foram colocados. Carlos Matias Ramos, bastonário da Ordem dos Engenheiros, diz que o número de colocações mais do que duplicou face às alcançadas na primeira fase do concurso de acesso de 2014.

Mas apesar deste aumento do interesse nas engenherias, e da aparente mudança nas prioridades de qualificação dos jovens portugueses, as engenharias e as ciências empresariais permanecem entre as áreas que deixaram mais vagas por preencher na primeira fase do concurso de acesso ao ensino superior público. Para as engenharias há ainda 2342 vagas disponíveis para a segunda fase de candidaturas que termina no próximo dia 18. Para as ciências empresariais, 1299. A arquitetura teve também um número significativo de vagas para preencher: 908. 

Vagas a sobrar e médias a disparar

As taxas de colocação dos candidatos portugueses nesta primeira fase registaram este ano o melhor desempenho dos últimos cinco anos, com uma quebra significativa (na ordem dos 34%) no número de vagas disponíveis para a segunda fase. Contudo, num ano em que o Ministério da Educação e Ciência admite os cursos com menos de 10 alunos deverão ser encerrados, as contas da DGES revelam que há 208 cursos nesta situação e 48 que não resgistaram sequer candidatos. Entre estes, as engenharias voltam a destacar-se, desta vez na área da engenharia civil, onde os cursos da Universidade de Coimbra e Instituto Superior de Engenharia de Lisboa, deixaram um número significativo de vagas disponíveis para a segunda fase.

Sem surpresas, Medicina foi o curso com a nota nacional de acesso mais alta, na Universidade do Porto, que colocou, apesar disso, 245 candidatos. No ranking da excelência e exigência estão também o Instituto Superior Técnico e o curso de Engenharia Aeroespacial, com 18,5. Entraram 85 alunos. No outro lado desta balança estão mais de 30 cursos superiores onde os candidatos entraram com média negativa.



OUTRAS NOTÍCIAS
“Uma empresa é como uma orquestra”

“Uma empresa é como uma orquestra”


Há quase dois anos que os 611 profissionais que integram a equipa da Malo Clinic estão sob o seu olhar. Susana Maciel contrata para as clínicas de implantologia e estética ...

Flexibilidade: a competência do futuro

Flexibilidade: a competência do futuro


Os projetos transversais ocupam um espaço cada vez maior entre as principais funções desempenhadas no sector das tecnologias de informação. No último Bar&oacu...

Science4You amplia fábrica e contrata 100

Science4You amplia fábrica e contrata 100


A marca lusa de desenvolvimento, produção e comercialização de brinquedos científicos, que tem como parceira a Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa ...



DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


Área Jurídica

Assembleia da República

Business Development Assistant

ARC International Design Consultants