Notícias

El Corte Inglés prefere portugueses

28.12.2002


  PARTILHAR





João Barreiros

AO CONTRÁRIO do que acontece noutras empresas espanholas estabelecidasem Portugal, a maioria dos 2200 trabalhadores do El Corte Inglés é de origem portuguesa.


Segundo a sua porta-voz, "a empresa preferiu dar formação em Espanha a cerca de duzentas e cinquenta pessoas,e limitou-se a enviar para Portugal os técnicos ligados aos sistemas operativos".

A própria Susana Santos recebeu formação durante cerca de seis meses para desempenhar as suas actuais funções, acontecendo o mesmocom muitos dos seus colegas.

Apesar de ser uma das maiores empresas de origem espanhola a laborar em Portugal, no El Corte Inglés será difícil encontrar funcionários provenientes do outro lado da fronteira: "Mesmo a nível das chefias, apenas um dos quatro directores que temos é espanhol", sublinha a porta-voz.

A empresa considera que a penetração no mercado português será mais fácilse se adaptar à cultura e às regras de funcionamento das empresas nacionais.

Por isso, além de os trabalhadores serem maioritariamente portugueses, também existem muitos produtos de origem local. "No início estiveram aqui alguns técnicos para explicar qual o funcionamento das caixas e de sistemas como o ar condicionado,mas mesmo esses já se foram embora", adianta aquela responsável.

Depois de ter contactado com as duas realidades, a portuguesa e a espanhola, Susana Santos considera que,de um lado e do outro, "a adaptaçãoà realidade social e cultural é bastante fácil", uma vez que não há grandes diferenças no modo de vida de portugueses e espanhóis. Mas, apesar de tudo, o país de origem acaba sempre por ser um factor de proximidade dos trabalhadores.

Ela própria sentiu isso quando, todos os meses, se encontrava no distinto Hotel Palace, em Madrid, com os quadros portugueses ali residentes. Encontros que chegaram a juntar mais de trezentas pessoas, algo impensável há apenas alguns anos, quando as trocas comerciais entre os dois países eram bem mais modestas.

Hoje, as duas economias vivem mais viradas uma para a outra, num quase estado de graça.







DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


Advogado

Anónimo

Advogado

Anónimo

asesor económico/comercial

Embajada en Lisboa