Notícias

Desemprego na UE sem sinais de alerta

Trabalho - Mercado de trabalho europeu parece, até agora, imune ao impacto da guerra na Ucrânia, escalada dos preços e subida dos juros, sem aumentos na taxa de desemprego. Em Portugal, desemprego subiu em maio e junho, mas de forma muito ligeira, apesar da travagem da economia. Número de desempregados permanece perto de mínimos das últimas duas décadas.

05.08.2022 | Por Sónia M. Lourenço


  PARTILHAR



Trabalho - Mercado de trabalho europeu parece, até agora, imune ao impacto da guerra na Ucrânia, escalada dos preços e subida dos juros, sem aumentos na taxa de desemprego. Em Portugal, desemprego subiu em maio e junho, mas de forma muito ligeira, apesar da travagem da economia. Número de desempregados permanece perto de mínimos das últimas duas décadas.

Guerra na Ucrânia sem fim à vista. Inflação na zona euro no máximo de muitos anos. Juros de mercado a subir desde o início do ano, antecipando o aumento de taxas diretoras, que o Banco Central Europeu concretizou em julho. Economia em abrandamento e riscos de recessão. A conjuntura não é animadora e tem impacto negativo na confiança dos agentes económicos. Seria de esperar também um agravamento do desemprego, com as empresas a preparem- se para tempos mais difíceis adiando contratações ou, em casos mais graves, começando a reduzir.

Mas a realidade do mercado de trabalho da zona euro, pelo menos até agora, é bem diferente. A taxa de desemprego não está a subir. Mantém-se, aliás, estável nos 6,6% em junho, valor inalterado face a maio e abril, ligeiramente inferior aos 6,7% de março e EMPREGO bem abaixo dos 7,9% de junho do ano passado, indicam os dados mensais do Eurostat, que são ajustados dos efeitos da sazonalidade. No conjunto da União Europeia (UE) a tendência é a mesma. Em junho, a taxa de desemprego manteve- se nos 6%, inalterada face a maio e abaixo dos 6,1% de março e abril e dos 7,2% de junho de 2021. Aliás, em todos os 27 países da UE a taxa de desemprego em junho ficou abaixo do mesmo mês do ano passado.

Taxas abaixo dos 3%

Numa lista onde República Checa, Polónia e Alemanha registam as taxas de desemprego mais baixas, todas inferiores a 3%, Portugal tinha a nona taxa mais elevada em junho, com 6,1%. Um valor mais elevado do que a média da UE, mas aquém da média da zona euro. A taxa de desemprego no país subiu ligeiramente nos últimos dois meses — passou de 5,9% em abril para 6,1% em junho —, mas mantém- -se num patamar historicamente baixo face ao registo das últimas décadas na economia portuguesa.

Segundo os dados mensais do Instituto Nacional de Estatística (INE), que são ajustados do efeito da sazonalidade, o número de desempregados em Portugal está a subir desde março, atingindo 313,7 mil pessoas em junho. Contudo, mantém-se perto do mínimo das últimas duas décadas, atingido em fevereiro deste ano, nos 300,9 mil desempregados. Quanto ao emprego, apesar de estar a recuar desde março, ficando nas 4,856 milhões de pessoas em junho, mantém-se perto do máximo da série do INE, que começa em 1998, que foi atingido em fevereiro deste ano, com 4,886 milhões de pessoas empregadas no país.

Com o desemprego jovem contido — em junho ficou abaixo do registado um ano antes em 25 dos 27 países da UE, Portugal incluído — e a taxa de subutilização do trabalho no país — conceito que, além dos desempregados, abrange os inativos disponíveis para trabalhar, mas que não procuram ativamente emprego, e os inativos que procuraram trabalho mas não estavam disponíveis no imediato — num patamar historicamente baixo, o mercado de trabalho resiste à degradação da conjuntura.



OUTRAS NOTÍCIAS
Espanha - Telefónica fracassa na semana laboral de quatro dias

Espanha - Telefónica fracassa na semana laboral de quatro dias


A primeira experiência de implantação da semana laboral de quatro dias numa grande empresa espanhola resultou frustrada. Apenas 2% do quadro de efetivos da Telefónica respon...

Contratações tecnológicas ‘arrefecem’, mas Portugal resiste

Contratações tecnológicas ‘arrefecem’, mas Portugal resiste


Nem tudo são boas notícias para os profissionais das tecnologias de informação. Depois de dois anos a beneficiar do forte crescimento que a pandemia trouxe ao sector, com u...

“Não podem ser só as pessoas à beira da reforma a tomar decisões sobre pensões”

“Não podem ser só as pessoas à beira da reforma a tomar decisões sobre pensões”


Mariana Trigo Pereira foi nomeada coordenadora do grupo de peritos que vai analisar a sustentabilidade financeira da Segurança Social e do sistema de pensões. A equipa ainda não e...



DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


.NET DEVELOPER

Adecco Recrutamento Especializado

ÚLTIMAS FORMAÇÕES


MMOG/LE V 5

RH OPCO Academia