Notícias

Ambiente inspira novos negócios

Em Portugal, o cuidado com o meio ambiente é fonte de inspiração para muitos empreendedores. Os "eco negócios" cativaram centenas de empresários nos últimos anos
16.02.2007


  PARTILHAR



Cátia Mateus
Os negócios verdes estão na ordem do dia. Nascem pequenos, como a quase totalidade das empresas, muitas vezes motivados mais pela ideologia do que pelo retorno financeiro imediato do investimento. Entre 2004 e 2006, foram criados na Rede Nacional de Centros de Formalidades das Empresas (CFE), 334 novos negócios cuja área de actividade está ligada às questões ecológicas e ambientais. Além destas empresas, outras terão sido criadas fora dos CFE, por empreendedores nacionais que abraçaram a causa de reconciliar o capitalismo com o ambiente. Gente que quer ajudar o país a crescer, devolvendo à natureza — em respeito — aquilo que ela nos oferece em recursos.


A consultoria ambiental e a reciclagem lideram nas áreas de actividade das empresas criadas nos CFE nacionais. Mas há que destacar a atenção dada aos produtos naturais e às energias renováveis, que sofreram um acréscimo significativo entre 2005 e 2006, passando de 8 para 18 empresas criadas.

A eficiência energética é exactamente uma das áreas de aposta de Tiago Vasconcelos que a partir da Trofa deu forma à I-Sete. Na sua empresa, o gestor de 36 anos, comercializa equipamentos de eficiência energética para Portugal e Países de Língua Oficial Portuguesa. Mas em simultâneo intervém em duas outras áreas: a consultoria energética e a reciclagem de consumíveis informáticos. “A empresa tem como clientes outras empresas e entidades consumidoras de energia e iluminação pública”, explica o empresário que justifica a sua opção de negócio com o facto de a área ambiental conciliada à redução de custos ser bastante motivadora e aliciante.

O empresário, que abandonou o seu emprego num grande grupo económico para criar a I-Sete, enfatiza ainda que “o facto deste ser um negócio em permanente mutação e que exige um esforço de evolução constante, é altamente motivador”. A I-Sete emprega neste momento 15 pessoas e tem no horizonte abraçar novas oportunidades de negócio relacionadas com a área em que actua. Tiago Vasconcelos é da opinião que “ninguém é nada sozinho” e por isso não fecha as portas à entrada de novos parceiros de negócio, eventualmente, “no país destinatário das exportações que deverão iniciar-se ainda este ano”.

Entre os projectos futuros do gestor estão a exportação e a avaliação de novas oportunidades de negócio, nesta que considera ser uma área com forte potencial de expansão no país e no estrangeiro. Mas se hoje as questões ambientais estão na ordem do dia, o líder da I-Sete considera que há 10 anos atrás, antes de criar a empresa, “tudo era menos fácil nesta área, começando por mim e pela experiência profissional que possuía, passando pelo processo burocrático e legislação que regulava o sector, bem como na responsabilidade ambiental das empresas”. Entraves que confessa ter ultrapassado com uma receita simples: “95% de transpiração e 5% de inspiração”.

Com esta ou outra estratégia, a equipa da empresa Terramater entrou no mercado actuando na área da comunicação e sensibilização ambiental. Esta equipa multidisciplinar composta por cinco elementos e liderada por Maria João e Pedro João, licenciados em gestão e matemática, respectivamente, tem por base o respeito pela natureza e a noção de que é necessário retribuir ao ambiente tudo o que ele oferece. Razão pela qual os empreendedores ousam referir que a sua missão empresarial é “salvar o mundo”.

E não é só aqui que a jovem equipa coloca a fasquia elevada. Maria João e Pedro não revelam o investimento inicial da sua empresa que dizem ter sido “todo o nosso ser e alguns tostões”, mas afirmam sem rodeios que “esse investimento só terá sido recuperado quando o filme do Al Gore já não fizer sentido”. A Terramater foi criada há um ano. O negócio está em expansão e a sua equipa aposta, através dos seus serviços, no desenvolvimento de acções de comunicação e sensibilização ambiental que tenham impacto no cliente e no seu público.

Nestas campanhas, a Terramater utiliza vários mecanismos como conteúdos científicos, jogos pedagógicos, observação da natureza, oficinas temáticas, estudos de impacte ambiental, consultoria para financiamentos ambientais, campos de férias, oficinas temáticas, guias ambientais e pedestres, acções de dinamização («teambuilding», teatro e acções de rua), entre outros. A equipa tem como metas ampliar a sua oferta de serviços e internacionalizar o conceito, talvez para África. Afinal o seu público é, numa escala global, o mundo. Talvez por isso, neste negócio inspirado pela natureza, pelas pessoas e pela qualidade de vida, o lema empresarial seja “aconteça o que acontecer, não esquecer de respirar”, revelam em tom de graça.

Mas a verdade é que apesar desta crescente sensibilização do país para as causas ecológicas, Portugal vive além das suas possibilidades em matéria ambiental. De acordo com o último relatório da organização ambiental WWF, “cada português deve 2,6 hectares à terra”. Isso mesmo. A “pegada ecológica” para Portugal — que contabiliza tudo de renovável que o ser humano consome, expresso num hectare global com produtividade média — revela que cada português precisa de pelo menos 4,2 hectares de terras e superfícies de água para si. Porém, o país só tem 1,6 hectares produtivos «per capita», vivendo claramente além das suas possibilidades e em défice ambiental. Apenas nas florestas, Portugal tem, por agora, mais capacidade de regeneração do que consumo.





DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


Advogado

Anónimo

Advogado

Anónimo

asesor económico/comercial

Embajada en Lisboa