Notícias

Ambiente dá trabalho

Os empregos verdes ganham terreno em Portugal, mas a burocracia impede que se criem mais
14.10.2005


  PARTILHAR




Marisa Antunes

AS ENERGIAS renováveis estão a dar um novo alento ao mercado de trabalho, em Portugal, na área do ambiente. Até agora, os chamados «empregos verdes» representavam menos de 1% do total de postos de trabalho gerados anualmente no nosso país, um valor que triplica nas nações mais desenvolvidas. Mas a apetência dos investidores portugueses conjugada com o incentivo governamental imposto pela directiva Comunitária que obriga a um aumento dos actuais 16% de produção nacional de electricidade por fontes renováveis para 39% até 2010, estão a criar boas perspectivas para quem se formou ou ainda se está a especializar na área ambiental.


Só entre Janeiro e Setembro deste ano foram instaladas 200 turbinas de produção de energia eólica (além das 500 já existentes) em território português, devendo chegar às 250 até ao final do ano, a um ritmo médio de 21 novas estruturas por mês. Com a energia dos ventos, o Governo espera que sejam criados 1600 postos de trabalho directos.

«A energia eólica é extremamente rentável e, a nível mundial, apenas o mercado de telemóveis excede a taxa de crescimento em termos de volume de negócios»,
refere Ana Estanqueiro, directora da Unidade de Energia Eólica dos Oceanos do Instituto Nacional de Engenharia, Tecnologia e Inovação (INETI). «A potência instalada em Portugal situa-se actualmente nos 1004 mega watt (MW), o que significa que já pertencemos ao ‘clube dos grandes', com valores acima dos 1000 mw», adianta a especialista do INETI, relembrando que a meta comunitária aponta para a produção de 3750 mw até 2010.

Uma meta que poderia estar mais próxima não fosse a pesada burocracia que envolve os licenciamentos dos parques eólicos, acusa o presidente da Associação Portuguesa de Produtores Independentes da Energia Eléctrica de Fontes Renováveis (APREN). «Se não fossem os pareceres negativos do Instituto da Conservação da Natureza (ICN) tenho a certeza que teríamos mais 50% de potência instalada. Mas os verdes são os piores inimigos da energia verde e da realidade económica do país. No sector do ambiente a pirâmide está totalmente invertida e quem decide não é o ministro, é o técnico que dá o parecer ambiental», critica António Sá da Costa.

Para Vítor Cavaco do partido Os Verdes, o chumbo dos projectos eólicos que poderiam dinamizar a criação de emprego verde passa mais pela falta de técnicos a trabalhar no ICN do que propriamente pelos entraves da burocracia.

«Não há técnicos suficientes para avaliar os impactos ambientais destes parques eólicos, por isso muitos deles são simplesmente chumbados»
, defende o engenheiro do ambiente. «Quando se passa por uma crise, o ambiente, que é frequentemente encarado como obstáculo económico, é logo uma das áreas sacrificadas nos cortes orçamentais», acrescenta.

Longe da guerrilha dos licenciamentos no ICN está a Enersis, a empresa de energias renováveis do grupo Semapa, que quer marcar a diferença ao construir o primeiro parque de energia de ondas do mundo. «A primeira máquina começará a funcionar antes do Natal e as outras duas deverão entrar em produção até à Primavera do próximo ano», refere Rui Barros, da direcção da empresa.

O objectivo é criar um «cluster» semelhante ao que está em curso nas eólicas, através de concurso público. «Com um ‘cluster' seria possível chegar aos 525 mw, através de 700 máquinas, o que significaria a criação de 500 postos de trabalho directos», realça. Para já, as duas grandes apostas energéticas do Governo centram-se na eólica e na biomassa, electricidade produzida a partir de resíduos florestais.

«Segundo as estimativas anunciadas espera-se que dez centrais de biomassa promovam a criação de 650 empregos dentro de quatro anos, mas nós acreditamos que seria possível potenciar estes números para 2000 postos de trabalho directos e indirectos se fossem instaladas entre 25 a 30 minicentrais espalhadas pelo país, mais a norte onde existe maior densidade florestal», sugere Ricardo Machado, secretário-geral da Federação dos Produtores Florestais de Portugal.

A sul não há densidade florestal mas há sol que vai ser aproveitado na central fotovoltaica de Moura, gerida pela Amper, empresa detida em 88% pela Câmara Municipal de Moura. «A central vai ocupar uma área de 116 hectares e a sua construção deverá estar concluída a 31 de Dezembro de 2008», pormenoriza José Oliveira, administrador da empresa.

O projecto alentejano integra não só aquela que será a maior central fotovoltaica do mundo mas ainda uma fábrica de painéis solares e um pólo tecnológico associado, prevendo-se que sejam criados entre 1000 a 2000 postos de trabalho, adianta o responsável pela Amper.

Empregos verdes em Portugal

«Emprego verde é aquele que assenta na gestão sustentável do ambiente», explica Álvaro Martins, director do Centro de Estudos em Economia da Energia, Transportes e Ambiente (CEETA) e co-autor de vários estudos sobre emprego ambiental. «Os madeireiros que exploram comercialmente a floresta não se encaixam nesta definição, mas um jardineiro que contribui para a conservação da paisagem já pode dizer-se que tem um emprego verde», exemplifica o especialista.

Um estudo encomendado pelo Ministério do Trabalho ao Eneramb — empresa ligada ao CEETA — permitiu sistematizar as profissões ambientais em dez domínios, tendo-se apurado 45 especialidades por onde se distribuem os cerca de 65 mil trabalhadores portugueses que actuam na área ambiental, segundo as últimas estatísticas do CEETA.

Neste grupo de 45 categorias incluem-se, a título de exemplo, os engenheiros sanitários, do ambiente ou os biológicos, os observadores meteorológicos, os técnicos de medição do ruído, os operadores das incineradoras ou os vigias de incêndios florestais. Mas «a formação profissional em Portugal na área do ambiente é ainda incipiente», realça Tomás Ramos, co-autor do estudo sobre empregos verdes coordenado por Álvaro Martins. «Cerca de 70% das pessoas maioritariamente ocupadas com funções do ambiente possuem um nível de formação abaixo do ensino secundário», destaca o docente da Faculdade do Ambiente, da Universidade do Algarve.





DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


COMERCIAL - CONSTRUÇÃO CIVIL - ZONA NORTE

Spring Professional Portugal

CONTABILISTA CERTIFICADO

Spring Professional Portugal

CONTABILISTA CERTIFICADO

Spring Professional Portugal