Notícias

Aeronáutica à procura de talento

Aeronáutica à procura de talento

Há potencial para a indústria aeroespacial a partir de Portugal. A Ative Space Tecnhologies comprova-o. A empresa que sustenta 95% da sua faturação em clientes internacionais dos setores aeronáuticos e aeroespaciais, acaba de lançar a Active Space Academy. O objetivo é identificar, formar e reter os melhores talentos.

26.09.2014 | Por Cátia Mateus


  PARTILHAR



Opera a partir de Coimbra mas a sua ambição é mais do que internacional, é espacial. A Active Space Technologies nasceu “incubada” na Agência Espacial Europeia (ESA), fruto da ligação dos seus fundadores à agência mas sempre foi claro para a equipa liderada por Ricardo Patrício, atual CEO da Active Space Technologies, que a cidade de Coimbra, viveiro de talento académico, seria a o local ideal para sediar um projeto orientado para as indústrias aeroespacial e aeronáutica. É de resto a proximidade ao meio académico e o benefício gerado pela interação entre as universidades e a empresa que sustenta parte do sucesso de um negócio onde 95% da faturação anual provém de clientes estrangeiros. A empresa desenvolve produtos e protótipos únicos, concebidos à medida dos clientes, em áreas que requerem fortes competências de engenharia mecânica e eletrotécnica e uma certificação de qualidade muito rigorosa, pela utilização final dos seus produtos: o sector aeroespacial e nuclear. A atração e retenção de talento é vital na empresa e por isso, a empresa criou este ano a Active Space Academy, uma estrutura que além de melhorar a ligação entre o meio empresarial e académico, permitirá identificar novos gurus da indústria aeroespacial.

“O projeto Active Space Academy baseia-se na nossa vontade de criar uma ligação estreita às universidades e outras instituições de ensino nas áreas em que trabalhamos”, explica Susana Boavida, responsável de Recursos Humanos e Marketing da Active Space Technologies. Entre os objetivos do programa a diretora elenca a sua orientação para proporcionar aos jovens universitários (ainda estudantes ou já recém-licenciados) um contacto mais próximo e privilegiado com a realidade empresarial. Há muito que a empresa desenvolve com regularidade programas de estágio, palestras e competições académicas, envolvendo-se também na participação de eventos académicos. A academia criada este ano é pois uma forma de centralizar e estruturar todas estas ações.

Desde a criação da Active Space Academy a empresa já acolheu seis estagiários e o número deverá continuar a aumentar. Susana Boavida confirma a intenção da empresa em reter os melhores talentos que foram identificando, mesmo que a integração não seja imediata à realização do estágio. “O nosso objetivo é tentar captar os melhores recém-licenciados para integrarem a equipa. No entanto, até ao momento, acolhemos estudantes em fase de prossecução de estudos. Temos já casos de estudantes que foram pré-selecionados para fazer tése de mestrado na Active Space no próximo ano letivo (2015/2016) e caso seja do interesse de ambas as partes podem vir a ser integrados na equipa”, explica.

Os estágios na empresa podem durar três meses, um ano (no caso dos estudantes que realizem a sua tese de mestrado associados à empresa) ou quatro anos (para alunos de doutoramento). Seja qual for o percurso há um foco comum em todos: os alunos são imediatamente envolvidos na atividade da empresa. É disso exemplo o mais recente projeto da Active Space Technologies. “Estamos a conduzir um projeto de investigação e desenvolvimento na área da instrumentação espacial, totalmente desenvolvido por alunos de várias áreas de especialização – engenharia mecânica, eletrónica, informática, física e de materiais -, cujo objetivo é o desenvolvimento de uma antena dipolar elétrica para observação da terra e missões planetárias”, explica. Susana Boavida reconhece que o projeto é ambicioso, tanto mais que reunirá alunos de diversas universidades e seguirá os passos mais importantes da instrumentação espacial, desde o estudo de conceito e avaliação integrada de requisitos até ao lançamento do modelo de voo (órbita terrestre e planetária).

Com um programa de recrutamento permanentemente ativo e sustentado no contacto com universidades e em candidaturas espontâneas , a Active Space Technologies soma 25 quadros na sua equipa e tem vindo a aumentar a sua estrutura a um ritmo de 20% ao ano. Na seleção de candidatos, a diretora de recursos humanos dá prioridade à excelência das suas competências técnicas e pede um nível de inglês muito acima da média, pela vocação internacional que a orienta. Até ao final do ano serão contratados seis novos engenheiros, com perfis na área da engenharia mecânica e eletrotécnica, distintos graus de senioridade e experiência nos sectores aeronáutico e aeroespacial. 



OUTRAS NOTÍCIAS
Angola atrai engenheiros lusos

Angola atrai engenheiros lusos


O que é que Angola tem para muitos engenheiros portugueses? Aquilo que Portugal, neste momento, não está a conseguir oferecer: emprego. Desde 2011, saíram de Portugal cerca...

“Nos próximos anos deverão surgir muitas oportunidades para engenheiros portugueses”

“Nos próximos anos deverão surgir muitas oportunidades para engenheiros portugueses”


Onde residem as principais oportunidades de carreira para os engenheiros portugueses em Angola? Angola é, cada vez mais, um local destino no que diz respeito aos profissionais de engenharia. &E...

Europa quer sintonia nas políticas laborais

Europa quer sintonia nas políticas laborais


A Comissão Europeia lançou esta semana a Rede de Serviços Públicos de Emprego. A plataforma foi pensada para agregar a coordenação das politicas de emprego do...



DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


Arquiteto

Anónimo

Colaborador

Anónimo

Comercial / Diretor(a) Comercial

ERA BELÉM RESTELO & ERA ALCÂNTARA/AJUDA