Notícias

875 oportunidades nas melhores para trabalhar

875 oportunidades nas melhores para trabalhar

Portugal tem boas empresas e bons gestores. E tem, à luz do estudo anual que a revista Exame realiza em parceria com a consultora Accenture, 100 empresas onde todos os portugueses gostariam de ter um lugar. Nas 100 Melhores Empresas para Trabalhar, há funções para todos os gostos e há, pelo menos 875 oportunidades de emprego para aproveitar.
15.02.2013 | Por Cátia Mateus


  PARTILHAR



O Expresso Emprego pegou no ranking das 100 Melhores Empresas para Trabalhar (ver quadro) e foi à procura de oportunidades. Lançámos aos vencedores da edição deste ano um inquérito de previsões de contratação para os próximos seis meses e as conclusões não podiam ser mais claras. Quem sonha com um lugar numa empresa onde a excelência, a progressão na carreira e o respeito pela conciliação entre trabalho família, são uma realidade, tem pelo menos 875 oportunidades de emprego que não pode deixar escapar. Entre as 100 Melhores Empresas para Trabalhar (MET 2013), 57 estão a aumentar as suas equipas e 34 querem manter o atual número de quadros, o que significa que poderão também contratar para colmatar eventuais saídas de colaboradores. Das 57 organizações assumem estar com processos de contratação ativos, seis optam por não divulgar o número de colaboradores que poderão vir a integrar nos seus quadros, o que faz elevar ainda mais o número de oportunidades a gerar nos próximos meses. A maior dinâmica nas contratações vai para as áreas da consultoria e das tecnologias informação, com várias empresas a marcarem presença no ranking dos que mais recrutam entre as MET2013 (ver tabela “Top dos 20 maiores recrutadores”), mas há outros sectores de oportunidade. A PwC lidera o ranking com uma previsão de 120 novas contratações, logo seguida pela empresa de gestão de recursos humanos, RHmais (90)e pela empresa de construção Conduril, que apesar do cenário de adversidade quer contratar 60 novos elementos para a sua equipa. Na tabela das empresas que mais oportunidades deverão gerar nos próximos meses estão nove empresas ligadas ao universo tecnológico, redes de mediação imobiliária, unidades hoteleiras e de restauração. No ranking das MET 2013, a consultora PwC ficou na 67ª posição, mas quando a meta é contratar, a liderança é sua. A empresa estabeleceu a meta de integrar 120 colaboradores nos próximos meses, mas António Saraiva, Human Capital Coordinator Director da empresa, admite que “pelas atuais previsões este número será superior”. A maioria das contratações a realizar serão para a área de negócio de auditoria (cerca de 90), mas há também vagas para fiscalidade e consultoria. “A generalidade das contratações são para Portugal, embora uma pequena percentagem possa vir a apoiar projetos internacionais da empresa”, explica António Saraiva que salienta a forte aposta da empresa no equilíbrio da vida profissional e familiar dos seus colaboradores. A estabilidade no emprego é também o ponto forte na gestão da RHmais. A empresa de recursos humanos quer contratar 90 nos próximos seis meses, mas o administrador Rui Brito Henriques, confirma que “até ao final de 2013 a RHmais deverá lança um novo projeto para o qual necessitará de um significativo volume de novas contratações na sua área core”. No recrutamento agora em curso, a empresa procura perfis para funções técnicas em contact centers e atendimento a passageiros (handling). Determinação, excelência, capacidade de comunicação e espírito de equipa, são características de que a empresa não abre mão, sempre que contrata. Na construtora Conduril, o cenário é semelhante. Com a crise instalada no imobiliário nacional, a empresa voltou-se para outros mercados onde tem vindo a conquistar terreno. Em curso está o recrutamento de 60 novos colaboradores para dar resposta aos projetos que tem vindo a conquistar no mercado internacional, nomeadamente em Angola. A empresa procura, segundo Filipa Lemos, do departamento de recursos humanos, “engenheiros civis e mecânicos, chefes de equipa, encarregados de construção, topógrafos, técnicos de laboratório e técnicos de segurança”. Segundo a responsável, novos recrutamentos poderão vir a acontecer este ano, embora não existam ainda previsões estruturadas. O mesmo acontece na SISCOG. A tecnológica prevê integrar 25 novos colaboradores, mas João Pavão Martins, fundador da empresa, diz antever um crescimento continuado da organização prevendo que as necessidades de contratação não se esgotem na previsão imediata. A empresa contratará em várias áreas funcionais, com predominância para os perfis técnicos para o desenvolvimento e manutenção de software à medida dos clientes, mas também para o desenvolvimento e manutenção dos produtos próprios da SISCOG, apoio técnico e de secretariado. “Os perfis para a maioria das contratações passam por requisitos associados a uma licenciatura nas áreas de Tecnologia de Informação ou de Matemática, em alguns casos com conhecimentos específicos em desenvolvimento web”, explica Eduarda Ferreira, diretora de Desenvolvimento Organizacional da SISCOG. A responsável justifica o recrutamento com a necessidade de dar resposta às solicitações atuais da empresa, cujas exportações representam 97% da faturação total, e também com a capacidade de antecipar a resposta face a novas oportunidades. A totalidade das contratações previstas é para os escritórios nacionais de Lisboa e Porto e aos candidatos selecionados espera uma formação inicial intensa que no primeiro ano poderá fechar às 400 horas por colaborador. A operadora logística Unilogos também está a crescer e como melhor empresa quer os melhores colaboradores. João Gouveia, o administrador, tem como meta integrar 14 novos colaboradores para as áreas de armazenagem, controlo e distribuição. A meta, realça, “é crescer numa filosofia de step by step, que a médio prazo ou longo prazo não se traduza num emagrecimento devido a algo que possa surgir”. Para a sua equipa João Gouveia quer “os melhores na sua área de negócio”. E qualidade percebe António Henriques, o líder da CH Consulting, que foi considerada a melhor empresa para trabalhar em Portugal. No seu grupo de elite que integra 75 colaboradores há espaço para, pelo menos, mais 25 a curto médio prazo. A empresa quer recrutar no imediato para as áreas de consultoria e gestão. “Procuramos consultores seniores, especialistas em processos de internacionalização e reestruturação de empresas”, explica António Henriques que adianta também estar a recrutar gestores de projeto. Segundo o líder da empresa, a CH deverá iniciar em breve um mega projeto de recrutamento, inovador, direcionado a jovens de elevado potencial e que será desenvolvido em Lisboa, Porto e Coimbra. “Todas as decisões para a empresa têm um principio comum: os candidatos têm de se rever em absoluto no nosso ADN e na nossa forma de estar no mercado”, garante o CEO da melhor empresa para trabalhar. Segundo o inquérito conduzido pelo Expresso Emprego junto das 100 MET2013, apenas quatro empresas admitem a possibilidade de ter de vir a reduzir o seu número de quadros. Entre as que têm processos de recrutamento ativos ou se preparam para recrutar, a maior parcela das novas contratações (61,4%) será para assegurar funções técnicas. A integração de recém-licenciados (19,3%) ou estagiários (12,3%) está também na mira destas empresas, onde apenas 1,7% admite contratar para funções de chefia ou direção. Em 77,2% dos casos o recrutamento incidirá sobre candidatos com qualificações ao nível da licenciatura, mestrado ou doutoramento, sendo também de prever em 17,5% das empresas a admissão de colaboradores com escolaridade ao nível do ensino secundário e 5,3% oriundos do ensino profissional. Apesar da elevada taxa de desemprego nacional, 63,3% das empresas inquiridas prevê enfrentar alguma dificuldade, ou até muita dificuldade (5,2%), nestes processos de recrutamento. Entre os principais entraves apontados estão questões relacionadas com a exigência da função (41%), falta de competências comportamentais adequadas à função (20,5%), qualificações desadequadas (18%) ou divergências salariais (5,2%). Na maioria dos casos (36,8%), encontrar os talentos ideias para integrar a organização poderá implicar um processo de seleção superior a um mês e em 15,8% das empresas, dois meses é o tempo razoável para assegurar a escolha adequada, ainda que 24,6% das empresas preveja concretizar todos os recrutamentos em três semanas. Quem mais recruta entre as melhores 1º PwC (120 vagas) 2º RHmais (90 vagas) 3º Conduril (60 vagas) 4º Century 21 (50 vagas) 5º Edge Innovation (50 vagas) 6º Mind Source (45 vagas) 7º safira (40 vagas) 8º Gatewit (30 vagas) 9º blip (30 vagas) 10º SISCOG (25 vagas) 11º RE/Max (25 vagas) 12º CH Consulting (20 vagas) 13º Xerox (20 vagas) 14º DRI (18 vagas) 15º Polar International (16 vagas) 16º Bold Internacional (15 vagas) 17º Unilogos (14 vagas) 18º OKE Tillner Perfis (12 vagas) 19º McDonald’s (10 vagas) 20º Penha Longa Hotel SPA & Golf Resort (10 vagas)


OUTRAS NOTÍCIAS
Alemanha procura enfermeiros

Alemanha procura enfermeiros


Em cada unidade de saúde na Alemanha faltam em média 5,6 enfermeiros. O alerta é avançado pelo Instituto Alemão de Centros Hospitalares (IACH) que estima, em termos globais, uma lacuna de cerca de 300...


"É fundamental mostrar que Portugal recruta"


O Grupo GMV emprega a nível global 1100 colaboradores, espalhados por geografias que vão de Espanha à Malásia, passando por Alemanha, França, Polónia, Roménia, Estados Unidos e até Índia. Em Portugal ...

Médicos com formação além-fronteiras

Médicos com formação além-fronteiras


Global Health Learning Opportunities (GHLO) é o nome do programa coordenado pela Associação de Escola Médicas Americanas, em que os finalistas dos cursos de medicina podem efetuar períodos de aprendiz...



DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


Área Jurídica

Assembleia da República

Business Development Assistant

ARC International Design Consultants