Notícias

Licenciados & Temporários

Licenciados & Temporários

Mais de 60% dos temporários portugueses são licenciados. O sectores da Indústria e Serviços são responsáveis pela contratação de 38% destes trabalhadores. Os números são avançado pela empresa de recrutamento Page Personnel e resultam de um inquérito global, realizado nos últimos 12 meses, que compara Portugal com outros mercados internacionais em matéria de Trabalho Temporário.

09.05.2014 | Por Cátia Mateus


  PARTILHAR
LinkedIn Twitter Facebook Google+



Nos últimos anos, o cenário do Trabalho Temporário (TT) mudou. Não só aumentou o recurso das empresas a esta forma contratual, essencialmente para fazer face a necessidades de reforço de mão-de-obra pontual por parte das empresas, como também mudaram as competências exigidas aos profissionais temporários e até a duração das suas missões. No último ano, 60,6% dos profissionais contratados em Portugal em regime de trabalho temporário eram licenciados e 18% possuíam mesmo qualificações ao nível de mestrado, segundo dados de um inquérito global conduzido pela empresa especializada no recrutamento de quadros intermédios e funções técnicas de suporte, Page Personnel. Sílvia Nunes, executive manager da empresa, revela que os sectores da indústria e serviços lideram estas contratações, mas há cada vez mais procura de profissionais para sectores como o financeiro, saúde ou tecnologias de informação que, juntos, já representam 32% das contratações nacionais.

Segundo a Confederação Internacional de Trabalho Temporário (CIETT), 10,4 milhões de empresas europeias recorreram a Empresas de Trabalho Temporário (ETT) durante o último ano. Silvia Nunes revela uma evolução positiva do TT em 2013 e confirma que “nos primeiros meses deste ano a tendência já voltou a confirmar-se”. Segundo a executive manager da Page Personnel em Portugal, “as principais razões para os empregadores portugueses recorrerem ao trabalho temporário estão relacionadas com a flexibilidade e com a capacidade de resposta para necessidades de curto termo”. 60,5% das empresas apontam o aumento inesperado da atividade como motivação para recrutar trabalhadores temporários. Ainda assim, a duração das “missões” temporárias tem vindo a aumentar para os profissionais portugueses. Segundo o estudo esta semana divulgado, 61,5% dos projetos temporários em Portugal duram entre quatro a 12 meses.

Maioritariamente mulheres (54,9%), os temporários portugueses são sobretudo procurados para funções de gestão e supervisão, que absorvem 25,4% das contratações, funções administrativas, que representam 24,4% das contratações e funções técnicas, representando 23,7%. Em Portugal, explica Sílvia Nunes, “as funções mais procuradas estão relacionadas com finanças e contabilidade (27,7%), vendas (19,4%) e secretariado (13,8%)”. A especialista enfatiza que “para os profissionais, a contratação temporária representa uma oportunidade de reinserção laboral, ao permitir a continuidade da experiência profissional e a expansão da rede de contactos”.

Comparativamente a outros países da Europa e aos Estados Unidos, Portugal supera os Estados Unidos na contratação de profissionais temporários com qualificações ao nível da licenciatura. Nos EUA, 46,4% dos temporários são licenciados e 30,7% possuem mestrado. Espanha regista valores semelhantes: 45,8% licenciados e 30,2% mestres. Em França, 63,6% dos trabalhadores recrutados para funções temporárias são mestres. O estudo da Page Personnel está sustentado em 13298 respostas, reunidas junto de empregadores e profissionais de 16 países da Europa e nos Estados Unidos. Em Portugal foram inquiridos 791 empregadores e profissionais, no último ano.



OUTRAS NOTÍCIAS
Notas não determinam emprego

Notas não determinam emprego


Segundo Daniel Traça, diretor adjunto da Nova School of Business and Economics (Nova SBE), seis meses depois de concluírem a sua formação 100% dos a...

Portugal recebe Academias Siemens

Portugal recebe Academias Siemens


A multinacional Siemens inaugurou esta semana, em Leiria, as primeiras Academias Siemens. Portugal foi o país escolhido, entre 190 geografias onde tecnológica...

Talento português é ‘vitamina’ para a internacionalização

Talento português é ‘vitamina’ para a internacionalização


No último ano, a consultora tecnológica portuguesa PrimeIT alcançou um volume de faturação de 16,5 milhões de euros. O número est...



DEIXE O SEU COMENTÁRIO




ÚLTIMOS EMPREGOS


ANALISTA APLICACIONAL

Spring Professional Portugal

ANALISTA/PROGRAMADOR OUTSYSTEMS

Spring Professional Portugal

ASS. ADMINISTRATIVO EXECUTIVO- PORTO

Randstad Recursos Humanos