Carreiras

- O dinheiro não é tudo, sabia?



01.01.2000



  PARTILHAR




O dinheiro não é tudo, sabia?

Se já trabalha há algum tempo certamente já se questionou se está a fazer aquilo que realmente gostaria ou se está a trabalhar apenas pelo salário que recebe no fim do mês. É sempre uma questão um tanto ou quanto melindrosa, mas nem por isso deve ser ignorada.



Hoje em dia são poucos os que se podem dar ao luxo de trabalhar apenas pelo prazer e que, por isso, não têm que se preocupar com questões "mais práticas"! Mas também é verdade que quando se tem um certo percurso no mercado de trabalho, sabe muito bem sentirmo-nos profissionalmente realizados.


Começar

Começar é sempre o mais difícil. Muitas vezes, acabadinhos de sair da faculdade, os jovens deparam-se com um mercado de trabalho completamente saturado e que não lhes oferece as oportunidades desejadas. Depois de terem vivido tantos anos dependentes dos pais, o maior desejo de grande parte deles é conseguir arranjar um emprego. Se, no início, ainda acreditam que vão conseguir fazer aquilo com que sempre sonharam, depressa se apercebem que a realidade é muito diferente. Solução: "Apanhar" o primeiro emprego que aparece!

E depois?

Com 22 ou 23 anos a realidade é vista com outros olhos e ter um emprego do qual não se gosta é apenas um passo para ganhar a experiência necessária para concorrer ao emprego com que sempre se sonhou. Prefere-se um emprego onde se ganhe bem a emprego nenhum porque nada é definitivo. Mas e com 30, 40 ou 50 anos?

Outra idade

Como se costuma dizer, com a idade vem a sabedoria e as coisas são vistas de outra prespectiva. Já não se é dependente dos pais e já se conseguiu alcançar a independência económica que tanto se desejava. Mas agora os problemas são outros: família, filhos, etc. Ou seja, é importante continuar a ganhar dinheiro.
Mas e a sua realização pessoal?

Sinta-se realizado com o que faz

Independentemente do trabalho que você faz, o importante é que você simplesmente adore aquilo que está a fazer e se sinta realizado com isso. Um empregado realizado é um empregado empenhado e entusiasmado que trabalha com prazer e que consegue trazer mais rendimento para a empresa onde está.


Realize-se!

Saiba que é possível aliar bons salários a trabalhos aliciantes e gratificantes. Lembre-se que a sua realização profissional afecta a sua realização pessoal da mesma maneira que acaba por afectar todos os que estão à sua volta. Se calhar vale mais ganhar menos e realizar-se do que ter grandes ordenados e não gostar do que anda a fazer.


Voluntariado

Você não quer largar de maneira nenhuma o emprego que tem apesar de não gostar do que faz? Precisa do dinheiro? Então tente outra coisa: voluntariado. Porque é que não aproveita os seus tempos livres a ajudar os que mais precisam? Existem centenas de associações a precisar de pessoas que possam dispensar algumas horas da sua semana para as ajudar. E o que não falta é escolha.



A realização profissional é tão importante como a realização pessoal e as duas acabam por se complementar. Se já chegou àquela fase da vida em que se quer assentar profissionalmente e parar de mudar de emprego constantemente, experimente optar por algo que lhe dê realmente prazer. Isto porque a felicidade não tem preço.




SW






DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


Advogado

Anónimo

Chemistry Teacher

St. Dominic’s International School

Diretor

Infarmed