Notícias

Gerir como um samurai

Gerir como um samurai

Um gestor samurai nunca usa a espada e em momentos de stress destaca-se pela calma e objetividade com que gere os contratempos e pela serenidade que transmite à sua equipa. A imagem é traçada por Hugo Silva, autor do livro “Cinto Negro” que garante que aplicar a filosofia oriental à gestão de empresas tem múltiplas vantagens. 

08.05.2015 | Por Cátia Mateus


  PARTILHAR
LinkedIn Twitter Facebook Google+



Entre a filosofia das artes marciais e a gestão quotidiana de equipas ou empresas há muito mais semelhanças do que diferenças. Hugo Silva, market director da Whirlpool Portugal e autor do livro “Cinto Negro” comprova-o ao explicar o segredo que levou inúmeras empresas orientais a vencer no mercado global. Naquele que é o seu primeiro livro, o gestor demonstra como se pode aplicar a filosofia das artes marciais orientais ao dia-a-dia das empresas, das organizações e das pessoas.

“O praticante de artes marciais deve fazer tudo para não perder os seus desafios e combates, contudo, deve estar consciente de que não existem vitórias consecutivas”, explica o gestor realçando que o mesmo sucede com as empresas: “nenhuma empresa, nem nenhum pais, cresce consecutivamente, sem sofrer qualquer derrota ou ciclo negativo”. Para Hugo Silva, o recente ciclo de crise global é a clara constatação de que esmo as melhores empresas ou países podem sofrer dificuldades com o efeito corretor do mercado. “Compreender o yin-yang é entender que esta crise era previsível, inevitável e necessária. Os excessos são sempre corrigidos, sejam eles a ganância, a mentira, a arrogância ou o poder bélico”, reforça.

É este entendimento que o autor procura promover com a sua obra defendendo, num constante paralelismo entre o quotidiano empresarial e a filosofia das artes marciais, que “o segredo da evolução é o que fazemos, enquanto profissionais e seres sociais, nos ciclos positivos, para mitigar e desacelerar o ciclo negativo seguinte”. Praticante e 3º dan de Karate-Do Goju-ryu Ohshikai, Hugo Silva é fundador do Bushido Portugal, desenvolve ações de formação e team building para empresas e organizações, levando a filosofia das artes marciais a distintos públicos. Na obra que acaba de lançar, descreve os princípios das artes marciais e das atuais formas de vida no ocidente, alertando para uma série de paradoxos dos tempos modernos e mostrando que cada ação sucede uma reação e que o mais difícil desafio passa pelo equilíbrio entre as forças positivas e negativas que, “em contínuo movimento, descrevem os ciclos de vida das pessoas e das empresas”, explica o gestor.

Orientada para uma lógica de equilíbrio, gestão de forças e fragilidades, respeito, nobreza e pela procura de harmonia entre opostos, a cultura oriental e os princípios de vida colocam a prática das artes marciais focada no objetivo de “contribuir para a evolução do individuo ajudando-o a enfrentar e encarar a realidade com energia, disciplina e coragem”. Hugo Silva garante que está na empresa como num dojo, procurando ajudar a aperfeiçoar os elementos da sua equipa, estimulando a sua disciplina e motivação. “O espírito do karaté é o da evolução constante, de ser melhor hoje do que ontem, e isso aplica-se às empresas”, garante.

Além de apresentar o potencial da aplicação da filosofia oriental às gestão organizacional, Hugo Silva descreve em “Cinto Negro” um conjunto de exercícios práticos, que podem ser utilizados para enfrentar situações quotidianas, quer a nível pessoal, quer a nível empresarial. No final, o autor desafia os leitores a uma reflexão sobre a forma como estes princípios podem influenciar e impactar positivamente os modelos de liderança ocidentais, sendo certo que como refere o autor, “esta não é uma obra de fórmulas perfeitas. Há muito erro pelo meio, mas também muita tentativa de evolução e melhoria a cada dia”. Princípios que, realça, devem nortear a estratégia de qualquer gestor.   



OUTRAS NOTÍCIAS
Prime IT volta a contratar

Prime IT volta a contratar


A tecnológica portuguesa Prime IT quer superar este ano a fasquia dos 650 profissionais na sua equipa. Para isso tem previsto realizar 230 novas contratações até ao final d...

Empresas reforçam gestão de talento

Empresas reforçam gestão de talento


No segmento da Gestão, os especialistas em recursos humanos figuraram, no mês de abril, na terceira posição entre os mais procurados pelas empresas nacionais, logo a seguir ...

Como a Sonae está a formar os futuros talentos do retalho

Como a Sonae está a formar os futuros talentos do retalho


Contribuir para o desenvolvimento de jovens profissionais com as capacidades técnicas adequadas ao mercado de trabalho e, simultaneamente, reforçar as equipas da Sonae com profissionais ...



DEIXE O SEU COMENTÁRIO




ÚLTIMOS EMPREGOS