Carreiras

Apostar numa carreira emocional,



01.01.2000



  PARTILHAR




Apostar numa carreira emocional,

por Madalena Gonçalves - Jornalista

Falavam do "bichinho" no jornalismo e eu sempre achei que também tinha sido picada por ele. Confiei no meu instinto e entrei para a Universidade, no curso de Comunicação Social.
Com o passar dos anos e com toda aquela teoria, comecei a duvidar da picada! A minha atracção por investigação e reportagens de rua foi completamente apagada. Se o jornalismo era aquilo que os livros diziam, então não estava vocacionada. O fim do curso foi doloroso. Quatro anos a estudar para quê??? E agora?

O próximo passo foi arranjar emprego! Por mim, ia estudar outra coisa, mas os meus pais já me tinham sustentado todos estes anos e estava na altura de ir fazer pela "vidinha".
Nunca me ensinaram a procurar emprego, mas a experiência alheia dizia-me que o procedimento era o habitual: elaborar uma carta de apresentação a acompanhar o currículo, responder a anúncios, entregar currículos e esperar (sentada) por entrevistas. Até aqui tudo bem! Mas o que é que eu ia meter no currículo? Só os estudos??? Muito pobre... Esta consciência matava-me! Inventar seria uma boa solução, mas justificar-me nas entrevistas... não me parece.

Decidi tornar o meu currículo original e fazer uma carta de apresentação bastante apelativa. Isto claro, dentro dos parâmetros estabelecidos para construir um CV e uma carta de apresentação. Agora restava-me esperar...
A primeira entrevista que surgiu foi um autêntico trauma! Como comportar-me e o que dizer foram algumas das MUITAS preocupações. Até uma dor de barriga, de última hora, me surgiu! Digam o que disserem, mas a primeira vez custa sempre!
Depois, constatei que todo aquele meu nervoso tinha sido patético. A entrevista correu lindamente e o entrevistador não parava de elogiar o meu currículo. Acreditem que até hoje não sei porquê!

Consegui o emprego e tornei-me JORNALISTA! Mas a motivação era realmente nula. No entanto, decidi investir na carreira e apelei às minhas capacidades para concretizar os objectivos. Apostei no meu coeficiente emocional (QE).
Tinha lido uns livros que falavam na importância do QE para o sucesso a todos os níveis. No campo profissional, diziam que as empresas deviam dar mais atenção ao QE do que ao QI (coeficiente de inteligência). Isto porque era fundamental que as pessoas desempenhassem o seu trabalho de acordo com os seus interesses, comportamentos, aptidões e características afectivas.

Tive uma conversa muito séria com a minha editora e disse-lhe aquilo para que, realmente, me sentia vocacionada. O meu potencial e produtividade eram reduzidos e mal aproveitados se me limitasse a escrever uns textos a partir dos telex.
Ela ouviu e decidiu apostar, também, em mim. Se me desse mal, ia para o desemprego!

O trabalho era imenso. Entrevistas aqui, reportagens ali, deslocações, etc. O cansaço era visível, mas estava a adorar e não parava de receber elogios pelo meu trabalho. Revelei-me uma pessoa capaz de lidar bastante bem com o stress, de gerir o tempo e a minha carreira. Sinto-me bem no meu emprego e tenho ambição de ainda ficar melhor. Acho que o importante é seguir o nosso instinto e ter pessoas que acreditem naquilo que nós podemos e somos capazes de fazer.






DEIXE O SEU COMENTÁRIO




ÚLTIMOS EMPREGOS


ACCOUNT MANAGER

Michael Page Portugal

ACCOUNTANTS PAYABLE / FLUENTE EM FRANCÊS

Spring Professional Portugal

ACCOUNTING MANAGER/CHARTERED ACCOUNTANT

Experis Finance, HR, Tax & Legal