Notícias

Elas fazem 'radiografias' ao mercado

Elas fazem 'radiografias' ao mercado

O que leva três mulheres com larga experiência na área da investigação a virar a vida do avesso e arriscar empreender num contexto de crise? A certeza do valor do seu projeto. Para a generalidade dos empreendedores, isto basta. Mas as três da AMINT utilizaram outros trunfos para minimizar o risco desta consultora de market intelligence.
28.09.2012 | Por Cátia Mateus


  PARTILHAR



O segmento dos estudos de mercado não é novidade para a tríade de empresárias que ao fim de vários anos de atividade na área, decidiu tentar inovar e criar algo diferente dentro de um mercado que já conhecia. Pelas mãos de Carla Ribeiro, Leonor Evangelista e Maria João Loureiro, todas psicólogas de formação, surgiu em fevereiro deste ano a AMINT Portugal (Advanced Market Intelligence), uma consultora de market intelligence cuja missão é ajudar as empresas a reduzir a incerteza que existe em qualquer tomada de decisão relacionada com o marketing, lançamento ou redesenho de produtos ou serviços.


Que os momentos de crise podem despertar novas oportunidades não é novidade, mas no caso da AMINT a ideia vai além das palavras. Nunca tanto como agora, perante um cenário de adversidade prolongado, foi tão importante para as empresas minimizarem os seus riscos de posicionamento e relacionamento com o cliente. É esta a tarefa que a equipa de empreendedoras se propõe ajudar a realizar. “A AMINT nasce como resposta às necessidades que estão cada vez mais latentes no mercado de market intelligence: oferecer um serviço global de investigação nesta área, desde os projetos mais simples até aos mais sofisticados; realizar uma investigação inteligente, prática e com um alto componente de business sense e otimizar os recursos que dispõe para cada projeto, desenhando projetos à medida em objetivos, timings e orçamento”, explica Maria João Loureiro, uma das sócias do projeto.


A empresa iniciou atividade em fevereiro, contando apenas com o trabalho das três empreendedoras na fase de arranque e com o apoio de um ex-cliente das empresárias, a AMINT Espanha, cujo segmento de atuação é também o research qualitativo e o conhecimento do consumidor e das suas dinâmicas atuação e que já tinha atuação em Portugal, ainda que não tivesse nenhuma filial cá implantada. No projeto, as três sócias investiram apenas 20 mil euros , totalmente financiados com créditos próprios e sem recurso a qualquer programa de financiamento empresarial. Numa primeira fase, explica Carla Ribeiro, sócia, “realizamos um árduo trabalho comercial, mesmo antes da formação da sociedade. Começámos por contactar os clientes com quem ao longo dos anos, noutros projetos, tínhamos estabelecido uma forte parceria”. Posteriormente, completa Leonor Evangelista, outra das mentoras do projeto, “fizemos também um investimento na angariação de novos negócios, nomeadamente através da parceria com a AMINT Espanha”.


Mas apesar da segurança gerada pelo facto de estarem associadas a uma marca internacional, as três empreendedoras não se deixam deslumbrar e preferiram entrar no mercado seguindo a estratégia dos pequenos passos. “Tivemos o cuidado de manter uma estrutura de custos o mais baixa possível, resistindo à tentação de construir tudo já”, explica Maria João enfatizando que “neste momento da nossa economia é preciso muita prudência e dar os passos certos na altura certa”. O que não significa que as empresárias não tracem metas ambiciosas para o seu projetos.


A AMINT já recuperou 50% do montante investido e a muito breve prazo deverá recuperar a totalidade do investimento inicial. As empresárias deverão também apostar na contratação de mais elementos para a equipa. O que não pensam é em diversificar a atividade para outras áreas. “Neste momento, a nossa oferta baseia-se nos estudos de mercado qualitativos e quantitativos, através do nosso sócio Óscar Palomar. Queremos fazer melhor, não mais!”, enfatiza Carla Ribeiro.


Entre o público-alvo da empresa estão organizações nacionais e multinacionais, mas também outros clientes interessados em ter respostas sobre consumidores e mercados. “Num momento de crise, os estudos de mercado são uma área do marketing de extrema importância. Os marketeers atuais já perceberam isso e é de facto cada vez mais necessário acertar em cheio com o consumidor e fazer bem. Até porque as marcas podem fazer cada vez menos”, explica Leonor Evangelista. Uma necessidade que as empreendedoras estão decididas a aproveitar.



BI EMPRESARIAL

Promotores:

Carla Ribeiro


Leonor Evangelista


Maria João Loureiro



Formação

As sócias têm formação na área da Psicologia Social.



Área de atividade:

A AMINT Portugal posiciona-se como uma agência de market intelligence, com uma oferta de serviços ao nível da realização de estudos quantitativos e qualitativos.



Início de atividade:

Fevereiro de 2012



Investimento inicial:

Cerca de 20 mil euros.



Forma de financiamento:

Empréstimos realizados pelas sócias.



Empregos criados:

Por agora a empresa conta apenas com o desempenho profissional das três sócias.



Público-alvo:

Empresas nacionais e multinacionais, como a Unilever ou a PT, mas também outro tipo de clientes. O ponto comum é a necessidade de obterem respostas sobre os mercados onde atuam e os consumidores.



Cuidados no arranque do negócio:

“Apenas tivemos o cuidado de manter uma estrutura de custos o mais baixa possível e resistir à tentação de construir tudo já”.



Principal trunfo:

“Acreditamos que é a nossa reduzida dimensão nos possibilita esta abordagem mais personalizada e totalmente direcionada para o negócio do cliente. Quando fazemos um estudo somos parceiros daquela empresa”.



Estratégia de gestão:

O fluxo de informação é o elemento mais relevante na gestão. “Não podemos estar em todo o lado mas temos de saber o que se lá passa”.





OUTRAS NOTÍCIAS
Um mundo de oportunidades

Um mundo de oportunidades


O último Guia Salarial da consultora Hays não deixa grande margem para dúvidas. Quando a empresa de recrutamento e seleção analisou pela última vez as tendências de recrutamento e remuneração no merca...

BES forma na universidade

BES forma na universidade


Arrancou em 2008 e depois do sucesso alcançado nas últimas edições, a Universidade Corporativa do BES prepara-se para lançar um novo programa de formação de executivos – o Executive Master BES – em pa...

60% das empresas querem manter o número de colaboradores

60% das empresas querem manter o número de colaboradores


As conclusões não podiam ser mais claras: o número de empresas que planeia cortes nos quadros aumentou 12% face ao ano anterior, mas a maioria das empresas (60%) ainda estão decididas a manter os cola...



DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


ACCOUNTANT BANKING SECTOR-PSA BANK

Spring Professional Portugal

ARCHITECT / PROJECT MANAGER

Michael Page Portugal

ASSISTANT ACCOUNTING CONTROLLER

Spring Professional Portugal