Notícias

E se for você o entrevistador?

E se for você o entrevistador?

O seu currículo destacou-se entre milhares e foi chamado para uma entrevista. Prepara-se para as perguntas mais óbvias e para as mais improváveis. Sabe tudo o que irá dizer, treino a melhor forma para evidenciar o seu percurso e os seus achievments profissionais. Mas e se o entrevistador quiser inverter os papeis e o convidar a colocar todas as questões que ache pertinentes? Estará preparado?

07.03.2014 | Por Cátia Mateus


  PARTILHAR



Aquele momento em que o recrutador, em plena entrevista para um potencial emprego, lhe questiona “e você, o que tem para me perguntar?”, é provavelmente a maior “ratoeira” que lhe podem colocar numa entrevista de seleção. Mas para os recrutadores a estratégia não só é cada vez mais comum, como é o melhor filtro para perceber até que ponto um candidato conhece a organização, os valores e as práticas da empresa. Se chegar a este patamar numa entrevista, não seja ingénuo ao ponto de acreditar que o recrutador gostou tanto de si que já não o está a avaliar se só quer ter uma conversa social e amigável. Este pode ser o momento mais decisivo para o seu processo de contratação.

Stuart Citrin, fundador e presidente executivo da empresa de executive search Spencer Stuart, é exímio nesta prática. Para o líder, “a pior resposta que pode dar a quem o está a entrevistar é um lacónico ‘não, obrigada acho estou esclarecido em relação a tudo o que é relevante’. Se fizer isso o recrutador vai colocá-lo imediatamente de lado, classificando-o como alguém que não é curioso o suficiente, não tem sede de conhecimento, não quer saber das práticas da empresa ou da sua cultura, nem tem interesse em conhecer o entrevistador”. Citrin aconselha a que os candidatos se preparem antecipadamente para uma situação desta natureza, elencando um conjunto que questões-chave, orientadas para vários propósitos, desde a cultura da empresa ao percurso do entrevistador dentro da organização (ver caixa). A estratégia, garante o CEO da Spencer Stuart, “é não ficar à espera de ser surpreendido com esta pergunta e preparar-se antecipadamente para utilizar este momento a seu favor, aproveitando a oportunidade para se diferenciar e demonstrar o seu conhecimento da empresa”.

Ao adotar esta estratégia de seleção, os recrutadores procuram perceber se os candidatos realizaram o seu trabalho de casa e se prepararam para a entrevista. Com esta questão é possível não só avaliar as motivações do candidato, mas também o grau de conhecimento que tem da cultura organizacional e da função a que se candidata. Para Stuart Citrin, “esta pode mesmo ser a parte mais importante da entrevista e o momento não deve ser desperdiçado”. Segundo o especialista, a meta de qualquer candidato a um emprego é demonstrar as suas competências e evidenciar o seu potencial de valor para a organização. “Fazer as perguntas certas é melhor forma de o conseguir”, conclui.

O poder da curiosidade
Quanto a meta é mostrar o seu conhecimento sobre a empresa à qual se candidata, perguntar pode ser a melhor estratégia. Stuart Citrin ensina os candidatos a tirar o melhor partido desta lógica de seleção em que os papéis estão invertidos e o candidato é, aparentemente, quem lidera a entrevista. Tenha sempre em mente que o seu objetivo é demonstrar o seu potencial e conhecimento, mas também a sua ambição. Com esta orientação, há vários tipos de questões que podem colocar, com objetivos distintos:

Orientação para a cultura da empresa
. Da experiência que retirei das organizações por onde passei anteriormente, a cultura de uma empresa está sustentada na colaboração e no trabalho em equipa, substituindo sempre o eu pelo nós e evidenciando a performance coletiva e não a individual. Qual é a postura desta empresa nesta matéria?
. Como descreve o perfil dos profissionais que integram esta empresa e têm possibilidades de evolução e o dos que não se enquadram aqui?

Orientação para o cargo ou função
. O que é para a empresa desempenhar com sucesso a posição à qual me candidato?
. Se eu fosse contratado para esta função e daqui a um ano estivessemos a avaliar o meu desempenho, o que é que eu teria de ter alcançado em termos de resultados para permanecer no cargo?
. O que é para vocês um bom ano em termos de negócio e resultados?
 
Orientação para o entrevistador

. Gostaria de saber um pouco da sua história na empresa. Como é que integrou esta equipa?
. Ao longo do seu percurso na empresa, o que é que gostou mais e o que é que foi para si mais frustrante?
(convém fazer previamente uma pesquisa no Google e Linkedin para conhecer um pouco melhor o percurso de quem o vai entrevistar e as suas preferências)

Orientação para e empresa

. Na última apresentação de resultados, o diretor financeiro da empresa confirmou que a evolução do negócio ficou abaixo das expectativas e registou quebras. Tendo em conta que o mercado está a crescer, não deveríamos estar preocupados com a possibilidade da estratégia utilizada ser desadequada?
. Porque razão tem tido a empresa tanta dificuldade em atrair talento e retê-lo?



OUTRAS NOTÍCIAS
Os desafios do pós-Troika

Os desafios do pós-Troika


O poder do Engagement nas empresas dá este ano o mote à edição 2014 da ExpoRH, o evento organizado pelo Grupo IFE - International Faculty for Executives, que anualmente re&...

Conciliação beneficia negócios

Conciliação beneficia negócios


A convicção de Sheryl Sandberg, a chief operational officer do Facebook e ex vice-presidente de vendas globais e operações online do Google, quando defende no seu livro &ld...

Talento sub 30 reunido em Lisboa

Talento sub 30 reunido em Lisboa


Foi considerada recentemente como um dos melhores eventos para Startups na Europa, pelo site de tecnologia TechCrunch, e promete trazer a Portugal 12 grandes personalidades mundiais da inovaç&a...



DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


DIRECTOR INDUSTRIAL

Michael Page Portugal

DIRETOR GERAL

Michael Page Portugal

OUTSYSTEMS DEVELOPER

Kelly Services Portugal