Notícias

Dança: Viver por amor à arte

Em Portugal, viver da dança é sinónimo de baixa remuneração e precariedade
24.11.2006


  PARTILHAR



Marisa Antunes e Maribela Freitas Ganham mal, têm contratos precários, emigram em grande número à procura de oportunidades profissionais e são muito polivalentes. Em Portugal, quem tem a paixão pela dança veste a camisola, e é por amor à arte que muitos se mantêm numa profissão que é pouco apoiada pelo Estado e por privados. Extinguido o Ballet Gulbenkian, resta apenas a Companhia Nacional de Bailado, com um quadro fixo de pessoal, financiado por verbas estatais. Depois, em mais de uma centena de estruturas, companhias e pequenos núcleos de produção que se dedicam essencialmente à dança contemporânea, grassam os «freelancers» e a precariedade dos contratos.


Como realça a bailarina Cláudia Dias, representante dos profissionais da dança no Sindicato dos Trabalhadores do Espectáculo e membro da direcção, “o grande problema é que as estruturas e as companhias em Portugal estão subfinanciadas, por isso não têm capacidade económica para avançar com contratos de trabalho, optando pela prestação de serviços”. Sem uma garantia efectiva, os profissionais retraem-se nos descontos para a segurança social. “Ficam socialmente desprotegidos e é uma situação que se vai agravar daqui a alguns anos, pois actualmente os bailarinos da primeira geração estão ainda na casa dos 40”, lembra Cláudia Dias, actualmente a trabalhar no projecto Re.Al, do coreógrafo João Fiadeiro.

A grande esperança de mudança, neste momento, assenta no projecto apresentado pelo Partido Comunista para definir o estatuto socioprofissional de quem trabalha na dança. “Resta agora saber qual vai ser o comportamento da Assembleia”, sublinha a sindicalista. Por enquanto, a situação laboral e social continua a agravar-se com a transferência do apoio e responsabilização estatal para as autarquias na concessão das já diminutas verbas de financiamento para os projectos. Uma contenção de subsídios que se vai reflectir mais uma vez no Orçamento do Estado (OE) de 2007, como lembra a sindicalista. “A verba prevista no OE representa não mais do que 0,1% do PIB”.

Paradoxalmente, apesar dos fracos recursos que são disponibilizados para a cultura, este sector é o terceiro principal contribuinte para o PIB, logo a seguir aos produtos alimentares e bebidas. Um estudo muito recente da União Europeia — ‘Economia Cultural na Europa' — mostra que em Portugal o sector cultural contribuiu para 1,4% do PIB. A média da UE chega aos 2,6%, bem acima do contributo do sector automóvel ou do imobiliário.

A França é um dos países onde a comparticipação é maior e também aquele para onde muitos profissionais da dança acabam por partir em busca de trabalho ou para complementar a sua formação. Quem por cá fica sobrevive como pode. Salta de projecto em projecto, organiza desfiles de moda, «workshops» ou dá aulas.

Recentemente, Catarina Furtado, apresentadora da RTP, abriu o espectáculo comemorativo dos três anos de existência do Lisboa Ballet Contemporâneo lançando um alerta para as dificuldades financeiras sentidas pela companhia do coreógrafo Benvindo Fonseca (que tentámos contactar sem sucesso). “Preocupa-me saber, como espectadora de dança, mas também como antiga bailarina, para onde vão os alunos que todos os anos saem das escolas de dança. Sei de inúmeras histórias de pessoas que tiveram de ir para o estrangeiro. Temos cá excelentes bailarinos e coreógrafos, como o Benvindo e outros, que só à custa de muito suor e esforço se conseguem manter. No nosso país, infelizmente, não existe um historial de amor à dança”, disse Catarina, que tem a formação em dança clássica do Conservatório.

Aliás, a Escola de Dança do Conservatório Nacional é já uma referência nesta área. “Temos um ensino integrado até ao 12.º ano de escolaridade e aos 18 anos os alunos saem daqui com um diploma e prontos a ingressar no mercado de trabalho”, explica José Luís Vieira, presidente do conselho directivo. Com uma selecção rígida — para entrarem os candidatos são sujeitos a uma audição —, “a formação é em pirâmide, sendo que apenas um grupo reduzido acaba o curso”, acrescenta o responsável.

A média de alunos formados anualmente é pouco mais de dez. “Alguns finalistas vão para o estrangeiro estudar ou trabalhar com companhias de renome ou optam por continuar os estudos a nível superior em Portugal. Outros arranjam emprego. O mercado está agora um pouco mais complicado, com o encerramento do Ballet Gulbenkian”, refere José Luís Vieira.

Também no domínio da formação, a Escola Superior de Dança (ESD) do Instituto Politécnico de Lisboa forma profissionais que podem vir a trabalhar como intérpretes, criadores, professores ou mesmo produtores de espectáculos. “A procura por este curso é grande. Este ano entraram cerca de 50 alunos e os nossos «numerus clausus» ficaram preenchidos”, conta Gil Mendo, presidente do conselho directivo e científico da ESD. Na sua opinião, em relação ao mercado de trabalho que se abre a estes profissionais, “a actividade artística é complicada se os profissionais viverem só disso. Fizemos um inquérito há algum tempo aos nossos licenciados e grande parte está activa no meio. Penso que para singrarem e se manterem têm de ter mais do que uma actividade, por exemplo, recorrer ao ensino em paralelo à actividade artística”.





DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


Diretor-Geral

FAROL ATT - Associação de Tratamento das Toxicodependências