Notícias

Criatividade 'à moda do Porto'

A cidade Invicta viu nascer um novo negócio a pensar nos fãs da "t-shirt"
15.09.2006


  PARTILHAR



Cátia Mateus QUEM disse que a «t-shirt» não é roupa para negócios enganou-se! A partir do Porto, Jorge Vieira e Ricardo Mendes criaram um projecto empresarial onde a criatividade e a partilha colectiva são utilizadas para produzir «t-shirts». A MangaCurta.com foi criada apenas há três meses e o seu sucesso é já digno de registo.


O conceito é simples e a actividade da empresa é inspirada num novo modelo de negócio que assenta na participação activa de um colectivo de dimensão considerável na criação de determinado produto, neste caso uma «t-shirt». Foi exactamente esta simplicidade que atraiu os dois empresários: um gestor e um engenheiro.

O processo de produção das «t-shirts» criativas inicia-se na Internet. Os criativos apresentam as suas ideias e ilustrações que são colocadas «online» — em mangacurta.com _— e submetidas à apreciação de uma audiência já considerável de visitantes, marioritariamente amantes dessa mítica peça de vestuário que é a «t-shirt».

Esta comunidade vai avaliar e discutir publicamente a criatividade das propostas apresentadas, o conceito que lhe está associado e o seu potencial comercial. “Se a pontuação da proposta atingir um número significativo, a «t-shirt» é produzida e comercializada e o seu autor recebe um prémio pela respectiva eleição”, explica Ricardo Mendes. Segundo Jorge Vieira, “o resultado imediato deste modelo é uma soma de ganhos entre todos os participantes”.

O empresário argumenta que o público tem uma escolha mais alargada e participa na decisão, os criadores são premiados, o seu talento é divulgado e são potenciadas novas oportunidades de emprego. A Mangacurta sustenta esta iniciativa comercializando as «t-shirts» com a certeza de que tem um produto "do agrado do público e com perspectivas mais seguras de sucesso comercial”.

Neste projecto, os empresários investiram cerca de 50 mil euros. Um valor que só esperam recuperar quando a empresa estiver no seu terceiro ano de actividade, já que ainda são necessários mais investimentos no projecto. Entre o público-alvo da Mangacurta estão “todas as pessoas que gostam de «t-shirts», embora naturalmente os jovens dos 15 aos 35 anos, sejam o alvo mais imediato”, revela Ricardo Mendes. A ideia de criar a empresa surgiu em 2005, mas só um ano mais tarde os jovens empreendedores viabilizaram a oportunidade.

O grande desafio do projecto foi “encontrar um produto onde fosse possível colocar em prática o valor induzido por uma inteligência colectiva”. A «t-shirt» foi a eleita, diz Ricardo Mendes que “por ser uma peça de comunicação poliglota e multicultural, capaz de perfurar uma linguagem ou emoção e adaptá-la a um ambiente”. A partir daqui, a ‘receita' passou por reunir algum engenho na criação de plataformas «online», aproveitando as características que a última geração «web» tem para oferecer.

Este modelo inovador de produzir «t-shirts» e comercializá-las parece já ter grandes adeptos. O projecto deu-se a conhecer apenas através do ‘passa a palavra' e três meses depois da sua criação o número de pessoas que aderiram a esta ‘comunidade criativa' excede já os milhares e são centenas as propostas de «t-shirts» em avaliação, segundo os responsáveis pela MangaCurta.com.

Jorge Vieira adianta que “o sítio da Mangacurta na Internet está perto de atingir um milhão de «pages views»”. A empresa anunciou recentemente os primeiros vencedores dos concursos de criatividade que tem sempre em curso e produziu as duas primeiras edições limitadas de «t-shirts» para venda ao público. Ambos os empresários mantêm uma actividade profissional paralela e o sucesso da empresa faz-se com a dedicação de sete elementos e muitos colaboradores.

Ricardo Mendes frisa que o grande desafio do momento é continuar com a aproximação a mais «designers», aperfeiçoar o conhecimento técnico em termos de produção, fidelizar os clientes e explorar o segmento dos concursos especiais. A diversificação da actividade para outras áreas é encarada com naturalidade por Ricardo Mendes e Jorge Vieira, “até pelo potencial criativo que resulta desta comunidade”.

Ideias para novos projectos não faltam, mas a meta, essa, é sempre única: colocar os portugueses de MangaCurta e fazê-los vestir com criatividade estas camisolas.





DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


Diretor-Geral

FAROL ATT - Associação de Tratamento das Toxicodependências