Notícias

Call centers continuam a contratar

Call centers continuam a contratar

A empresa de atendimento ao cliente Sitel, anunciou esta semana a contratação de 350 novos colaboradores até ao final do ano, para os seus centros de contacto em Lisboa. O investimento espelha aquilo que se tem vindo progressivamente a assumir como uma realidade: Portugal já é a primeira escolha de várias multinacionais para deslocalização de serviços. 

14.03.2014 | Por Cátia Mateus


  PARTILHAR



Nos últimos três anos, a Sitel, fornecedora global de serviços de atendimento ao cliente, triplicou o seu número de colaboradores em Portugal e registou níveis de crescimento record. Num só ano gerou 400 novos empregos e segundo Benedita Miranda, country manager da Sitel, até ao final de 2014 deverá realizar 350 novas contratações para os seus dois centros de comunicações, no Parque das Nações e no Saldanha (Lisboa). O anúncio foi feito esta semana na presença do secretário de Estado da Inovação, Investimento e Competitividade, Pedro Gonçalves, durante a sua visita ao novo Centro de Comunicações Europa – Multilingue, no Parque das Nações, em Lisboa, e vem comprovar os resultados de um estudo recentemente realizado pela consultora gartner, onde Portugal surge referenciado como um dos sete destinos eleitos pelas empresas multinacionais para a deslocalização de serviços de suporte técnico ou desenvolvimento tecnológico para países remotos (offshore). Um potencial que deverá continuar a gerar emprego.

Foi o próprio secretário de Estado a reconhecer que a Sitel se conseguido destacar de outras congéneres mundiais pela sua performance ao nível de resultados, muito por força da qualidade dos seus recursos humanos. Na verdade, as competências técnicas e relacionais dos profissionais portugueses há muito que dão nas vistas junto das empresas, num sector como o dos call centers que já emprega cerca de 25 mil portugueses e tem atraído para o país um número crescente de organizações estrangeiras que aqui localizam os seus centros de serviços.

A favor do crescimento deste sector em Portugal somam-se fatores como o perfeito domínio de múltiplos idiomas conseguido pelos profissionais portugueses, as suas elevadas qualificações técnicas, as competências comportamentais e relacionais e o su custo competitivo face a outros países. Nesta balança tem pesado também o elevado grau de satisfação de outras empresas que já investiram no país, em projetos de serviço ao cliente e suporte técnico. Nos últimos anos, Portugal tem conseguido atrair com este potencial multinacionais de renome como a Fujitsu (que está também a ampliar o centro de competências em Lisboa e a recrutar várias centenas de profissionais), a Cisco ou a Altran. A tendência deverá ter continuidade, tanto mais que um estudo da Informa D&B relativo a 2013 dava conta de que a faturação agregada das empresas do sector no último ano registava um crescimento de 3,6% face a 2012, num total de 406 milhões de euros. Entre 2009 e o final de 2012, o sector dos call centers em Portugal cresceu 6,5% e ao fecho desse ano passado, já assegurava emprego a 22.200 profissionais no país.



OUTRAS NOTÍCIAS
Empresas querem talentos ágeis e diferenciados

Empresas querem talentos ágeis e diferenciados


Em 2013, a taxa de desemprego estrutural que reflete a desadequação entre os desempregados disponíveis para trabalhar e as necessidades das empresas, foi de 11,7% da populaç...

Soft skills para estudantes de Direito

Soft skills para estudantes de Direito


A academia de formação da sociedade de advogados Vieira de Almeida & Associados e TESE - Associação para o Desenvolvimento, voltaram a juntar-se para promover a VdAcade...


"As empresas não são redutoras de salários"


Este é um desafio distinto dos que anteriormente abraçou na sua carreira. Com que missão o aceita? É distinto no sector, mas acaba por ter em comum com outros o facto de v...



DEIXE O SEU COMENTÁRIO





ÚLTIMOS EMPREGOS


Marketing Nearshore

Körber Supply Chain PT S.A

PROCESS ENGINEER - VILA REAL

Michael Page Portugal