Notícias

Web Summit já contrata

Web Summit já contrata

Em poucos anos, o Web Summit passou de um acontecimento local que reunia curiosos das tecnologias, a um dos mais relevantes eventos mundiais do sector. Paddy Cosgrave é o homem que liderou esta revolução e é o responsável por colocar Portugal no centro nevrálgico do movimento do empreendedorimo tecnológico global, ao fazer de Lisboa a cidade anfitriã do próximo Web Summit. O impacto deste papel já se sente. A organização do evento está neste momento a contratar. Em entrevista ao Expresso Emprego, o fundador explica como se movimenta “a máquina” Web Summit e o talento que é neste momento vital.

03.09.2016 | Por Cátia Mateus


  PARTILHAR
LinkedIn Twitter Facebook Google+



“O Web Summit não acontece sozinho. É necessária uma equipa brilhante para o por de pé”. E é de novos elementos para esta “equipa brilhante” que o fundador do evento que este ano deverá atrair a Lisboa mais de 50 mil participantes de 150 países, Paddy Cosgrave, está à procura. Não apenas para Lisboa, mas também a pensar no evento que Portugal receberá de 7 a 10 de novembro, o fundador do Web Summit quer reforçar a sua equipa. Cosgrave não divulga o número total de vagas disponíveis e prefere falar em “funções em aberto”, já que é de talento que está à procura e não vai deixar escapar nenhum profissional cujas competências e o perfil possam ajudar o Web Summit a cumprir a sua missão: alavancar a inovação mundial. O que tem como certo é que na Web Summit o talento não é local, é global. Tal como os recrutamentos. Todas vagas aceitam candidatos que qualquer ponto do globo.

Nos últimos quatro anos o Web Summit passou de uma equipa de três elementos para “mais de 150 profissionais, de um total 20 países, que a partir de Dublin (Irlanda) trabalham para por de pé o Web Summit e os nossos eventos globais, RISE, em Hong Kong, Collision, em Nova Orleães e MoneyConf, em Madrid”, explica Paddy Cosgrave. Ao longo deste anos, garante o fundador, a empresa conquistou para o seu leque de talentos “reputados engenheiros, data scientists, designers, comerciais e vários outros profissionais que ajudaram a construir algumas das mais reputadas empresas tecnológicas”.

Sempre que teve de contratar o fundador da Web Summit olhou para o mundo e nunca para o mercado irlandês e garante que esta noção de globalidade, esta abertura ao talento mundial, é um dos segredos do sucesso de um evento que é, também ele, voltado para mundo. A escassos dois meses de mais uma edição do Web Summit, esta fora do seu país de origem, a fórmula repete-se: “estamos a contratar. Há várias vagas disponíveis e estão abertas para todos aqueles que sintam que a função está formatada para si”, explica. A organização do Web Summit tem algumas pessoas a trabalhar já em Lisboa, mas a generalidade das funções para as quais recruta passam pela sede da empresa, na Irlanda, independentemente da nacionalidade dos profissionais, até porque é fundamental que segundo o fundador se interiorizem os valores da empresa.

Entre as oportunidades atualmente em aberto estão vagas para a equipa de produção, que assegura toda a logística do evento, a equipa de engenharia que trabalha na conceção de apps capazes de ligar as pessoas, aos profissionais que gerem todos os conteúdos essenciais à realização do Web Summit. Paddy Cosgrave dá ainda destaque a um conjunto de profissionais muito relevantes para a empresa e que quer também recrutar - os trusted advisors. O seu papel é vital na empresa. “A equipa de Trusted Advisors gere todo o ciclo comercial do evento em conjunto com empresas como a Google, Facebook, Intercom, KPMG e centenas de outros parceiros envolvidos nas nossas conferências a nível mundial”, explica o fundador acrescentando que o grande aliciante desta função é a oportunidade que dá aos profissionais de “trabalharem com milhares de empresas referenciadas como capazes de gerar inovação e mudar algumas maiores indústrias mundiais”.

Candidatos comunicativos, adeptos de uma cultura de aprendizagem e evolução permanente, disponíveis para viajar pelo mundo e capazes de gerar relações sólidas com colegas e os parceiros de negócio, apaixonados pelo que fazem e focados em superar as expectativas das pessoas com as quais se relacionam, estão na mira do fundador da Web Summit. E Paddy Cosgrove garante que os benefícios de integrar uma empresa disruptora são mais que muitos.



OUTRAS NOTÍCIAS
ANJE tem €80 mil para potencial negócios inovadores

ANJE tem €80 mil para potencial negócios inovadores


Critical Software, Crioesaminal, Biosurfit, Medbone ou Active Space Technologies são alguns dos projetos empresariais a que a conquista do primeiro lugar do Prémio Jovem Empreendedor,...

Incentivo ao emprego científico já vigora

Incentivo ao emprego científico já vigora


O novo regime de incentivo ao emprego científico e tecnológico, que pretende estimular a contratação de investigadores doutorados, o rejuvenescimento dos centros de inve...

5 erros de networking e como evitá-los

5 erros de networking e como evitá-los


Criar uma sólida rede de contactos é essencialmente ser capaz de construir uma relação a longo prazo com os demais, sejam eles os seus pares profissionais ou amigos. &Ea...



DEIXE O SEU COMENTÁRIO




ÚLTIMOS EMPREGOS


Advogado

Anónimo

Assistente Financeiro

PCI – Portline Containers Internacional

CABIN CREW

Qatar Airways