Notícias

Sonae entre os líderes mundiais da captação de talento

Sonae entre os líderes mundiais da captação de talento

A Sonae foi recentemente reconhecida pela Associação Internacional de MBA como o melhor empregador mundial de alunos de MBA e pela sua estratégia de retenção de talento.

13.02.2017 | Por Cátia Mateus


  PARTILHAR
LinkedIn Twitter Facebook Google+



Entre a lista final de candidatos ao galardão “MBA Employer” (melhor empregador mundial para alunos de MBA), atribuído pela primeira vez em finais de janeiro pela Associação Internacional de MBAs (AMBA), estavam multinacionais como a Amazon, a American Express, BP, Diageo e a Philips. A maioria delas, reconhece José Côrte-Real, administrador da Sonae com tutela da área de Recursos Humanos, “empresas com uma dimensão global que a Sonae não tem”. Mas foi exatamente a estratégia de atração e desenvolvimento de talento seguida na empresa portuguesa a destacar-se, e garantir-lhe a distinção enquanto melhor empregador do mundo para estudantes de MBA.

O grupo Sonae assegura mais de 48 mil postos de trabalho. Desses, cerca de oito mil são quadros com funções de gestão e responsabilidades de liderança. Perto de 200 possuem um MBA (Master in Business Administration). Alguns chegaram à empresa através das incursões anuais que a Sonae realiza junto de escolas como a Porto Business School e o Lisbon MBA, recrutando os melhores talentos de cada MBA, outros fazem parte de uma aposta estratégica da empresa que anualmente analisa as necessidades de qualificação e os planos de progressão dos seus profissionais financiando, nos casos em que se revela determinante, a realização de MBA em universidades nacionais ou estrangeiras, como Harvard, INSEAD ou London Business School.

É por isso que quando perguntamos a José Côrte-Real o que distingue a portuguesa Sonae de uma Amazon, uma American Express ou outras, enquanto melhor empregador para estudantes de MBA, o administrador resume a análise a um factor: “a aposta nas nossas pessoas”. O administrador admite que “no contexto atual, não basta recrutar bem e formar os profissionais. É preciso dar-lhes oportunidades efetivas de crescimento, novas funções, dar-lhes um bocadinho de inquietude e risco. Isto é muito valorizado, sobretudo pelas novas gerações, e se não asseguramos isto perdemos o talento em que investimos”, explica.

O foco nas pessoas
A AMBA, sediada em Londres, sustentou a sua decisão num conjunto de critérios que englobam a estratégia de gestão da organização e os mecanismos que usa para gerir talento, a dimensão da sua ligação às escolas de negócios, a existência de práticas inclusivas e diversidade de talento, o volume de recrutamento de MBA que realiza anualmente e a evidência de sucesso destas práticas continuadas e o seu reflexo no sucesso da organização. Critérios que, reconhece José Côrte-Real, estão na génese da política de recursos humanos seguida na empresa, em todas as áreas de atividade. “A Sonae integra no seu universo um painel muito vasto de funções e o MBA, naturalmente, está mais orientado para perfis com responsabilidades de gestão a um nível já relevante. Mas isso não significa que este cuidado com a qualificação não exista noutras áreas”, reforça.

Na Sonae, garante, além das parcerias permanentes com escolas de gestão e da formação interna, as equipas de liderança têm a responsabilidade de estarem atentas e realizarem uma avaliação permanente do talento que têm nas suas equipas, das suas possibilidades de progressão e da formação que é necessária para sustentar esse percurso. Na base desta avaliação está a plataforma “Improving our People” (melhorar as nossas pessoas). “O que fazemos é projetar o desenvolvimento de carreira e as oportunidades de aprendizagem das pessoas de forma permanente”, explica. Um desenvolvimento que não tem de ser feito sempre na mesma área de negócio. Devido a amplitude das suas áreas de atuação, a Sonae pode, segundo José Côrte-Real, assegurar aos seus profissionais um crescimento e uma progressão transversal nas várias áreas da empresa. Ou seja, enfatiza, “temos possibilidade de garantir oportunidades reais de evolução e aprendizagem, e assim assegurar a motivação permanente dos talentos”. Para o gestor, “é fundamental estar atento às aspirações das pessoas e isso é papel das lideranças. As empresas podem ser muito grandes, mas temos de conseguir estar permantemente atentos à progressão dos profissionais e às suas ambições de conhecimento, se não queremos perder os melhores”.

São vários os programas desenvolvidos no grupo com esta finalidade. Um deles é o programa de gestão de liderança Future Leaders @Retail, criado para captar interna e externamente os futuros líderes do retalho moderno, e que acaba de integrar 20 jovens talentos na Sonae. Entre os 20 selecionados desta edição do programa, estão 12 participantes externos e oito internos, profissionais que transitam de outras áreas do universo Sonae. Juntos serão frequentarão um programa de formação remunerado, com duração de nove meses, que é apontado como vital para sustentar o crescimento do negócio já que está focado na captação de recém-licenciados, pós-graduados ou mestres, permitindo criar uma rede de talentos ajustada às necessidades presentes e futuras da empresa.


Cultura de Desenvolvimento
. A Sonae destronou multinacionais como a Amazon, Diageo, American Express, Philips e a BP enquanto “MBA Employer” (empregador de alunos de MBA) a nível mundial, numa distinção atribuída pela primeira vez pela Associação Internacional de MBA (AMBA).

. A empresa é hoje um dos maiores empregadores nacionais, com mais de 48 mil trabalhadores, 8000 dos quais em funções de gestão. Mais de 200 são titulares de MBA.

. Além de recrutar anualmente estudantes de MBA, a Sonae tem também uma política de financiamento de MBA (em escolas nacionais ou internacionais), sempre que esta formação se revele necessária.

. Na Sonae vigora um plano permanente de avaliação de competências e necessidades formativas, o “Improving our People” (melhorar as nossas pessoas), que para o administrador é a base de toda a estratégia de recursos humanos.



OUTRAS NOTÍCIAS
53% rejeitam ofertas de emprego

53% rejeitam ofertas de emprego


Há cada vez menos portugueses qualificados, e no ativo, com vontade de mudar de emprego e a culpa é dos salários que as empresas estão dispostas a oferecer. No úl...

5 caraterísticas dos 'fracos' líderes

5 caraterísticas dos 'fracos' líderes


1 Incapacidade para decidir
Que tome decisões e que assuma responsabilidade, é o que se espera de um líder. Se o líder não consegue decidir,...

Startup Lisboa, cinco anos e 1500 empregos depois

Startup Lisboa, cinco anos e 1500 empregos depois


“Os últimos cinco anos foram passados a criar o futuro”. É desta forma que Miguel Fontes, diretor executivo da Startup Lisboa, gosta de sintetizar a atividade da incubador...



DEIXE O SEU COMENTÁRIO




ÚLTIMOS EMPREGOS


Advogado

Anónimo

Assistente Financeiro

PCI – Portline Containers Internacional

CABIN CREW

Qatar Airways