Notícias

Salário mínimo: baixas qualificações em pequenas empresas são decisivas

Salário mínimo: baixas qualificações em pequenas empresas são decisivas

O número de trabalhadores que recebe o salário mínimo passou de 400 mil em 2014 para 730 mil ?em 2017, mas o seu perfil tem-se mantido estável.

12.10.2017 | Por Sónia M. Lourenço


  PARTILHAR
LinkedIn Twitter Facebook Google+



São cada vez mais e representam uma fatia cada vez maior dos trabalhadores em Portugal. Em março deste ano, havia cerca de 730 mil trabalhadores que recebiam o salário mínimo, representando 22,9% dos trabalhadores por conta de outrem (TCO) e membros dos órgãos estatutários (MOE). Três anos antes, em 2014, eram cerca de 400 mil, representando 13% dos trabalhadores na economia, indicam os dados do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social (MTSSS), incluídos no último relatório (o quinto) de acompanhamento do acordo sobre a remuneração mínima mensal garantida (RMMG).   Um aumento que reflete duas tendências. Primeiro, a trajetória de aumento do salário mínimo, iniciada em outubro de 2014, que levou o seu valor de €485 para os atuais €557 (valores nominais). E, segundo, muito do emprego que está a ser criado na economia paga salários baixos. “Estamos a criar emprego de salários baixos e, à medida que vamos aumentando o salário mínimo, há cada vez mais trabalhadores apanhados nesse patamar salarial”, nota João Cerejeira, professor da Escola de Economia e Gestão da Universidade do Minho. Até porque “o aumento do salário mínimo tem sido superior ao incremento dos salários médios e da produtividade”, reforça.
Mulheres são maioria Apesar deste forte aumento, o perfil de quem ganha o salário mínimo tem-se mantido estável. Assim, em janeiro deste ano (últimos dados disponibilizados no referido relatório do MTSSS), tal como em outubro de 2014, a maioria dos trabalhadores que auferiam o salário mínimo eram mulheres (53,7% do total, o que se compara com 55,3% em 2014). “Embora as mulheres estejam menos representadas no conjunto da economia [46,7% do emprego total em janeiro de 2017], estão sobrerrepresentadas no escalão de rendimento correspondente à RMMG”, lê-se no relatório.   Quanto à distribuição etária, cerca de 50% dos trabalhadores que auferem o salário mínimo têm entre os 25 anos e os 44 anos. Mas esta faixa etária também é a que representa uma fatia maior do emprego total (cerca de 55% dos trabalhadores). Por isso, a nota de destaque vai para os trabalhadores mais jovens (menos de 25 anos), que estão sobrerrepresentados neste nível de remuneração. “Com efeito, os jovens representam 9,9% dos trabalhadores abrangidos pela RMMG, mas apenas 7,4% no total dos trabalhadores com remuneração declarada”, salienta o documento.   Ao nível das habilitações, sem surpresa, a esmagadora maioria das pessoas que recebiam o salário mínimo em janeiro de 2017, tal como em 2014, tinha baixas qualificações. “Cerca de 70% dos trabalhadores abrangidos pela RMMG têm habilitações ao nível do ensino básico, sendo que este nível habilitacional representa 52,8% do emprego total”, frisa o relatório. Por oposição, “os trabalhadores com ensino superior têm um peso muito baixo no escalão equivalente à RMMG (5,6%), sobretudo quando já representam 20,1% do emprego total”.   Por escalão de dimensão das empresas, cerca de 70% dos trabalhadores que recebem o salário mínimo estão concentrados nas microempresas e nas pequenas empresas, que têm um peso agregado da ordem dos 50% no emprego total. Uma estrutura similar à que se registava em 2014.
Alojamento ?e restauração lideram Em termos de sectores de atividade da economia, os trabalhadores abrangidos pela RMMG concentram-se, sobretudo, nas indústrias transformadoras, no comércio por grosso e a retalho e na reparação de veículos automóveis e motociclos. Uma concentração expectável, já que estes são também os sectores com maior peso no emprego total (janeiro de 2017).   Mas o MTSSS revela os dados sectoriais também de outra forma, apresentando os sectores de atividade com maior incidência do salário mínimo (ou seja, com maior proporção de trabalhadores a receber o salário mínimo em relação ao total de trabalhadores no sector): aqui, a lista é liderada pelo alojamento, restauração e similares, onde 39% dos trabalhadores recebem o salário mínimo. Segue-se a agricultura, produção animal, caça, floresta e pesca, com 37%, e as atividades imobiliárias e a construção, ambas com 29%.



OUTRAS NOTÍCIAS
Desemprego nos 8% até meio de 2018

Desemprego nos 8% até meio de 2018


Se no final do verão de 2016 um economista antecipasse uma descida da taxa de desemprego em Portugal de dois pontos percentuais no espaço de um ano seria apelidado de muito otimista. ...

Franchising assegura 117 mil empregos

Franchising assegura 117 mil empregos


Nos últimos três anos, o franchising nacional contribuiu para a criação de mais de 53 mil empregos em Portugal.  As 574 marcas presentes em território nacio...

Indústria contratou 79 mil

Indústria contratou 79 mil


Em 2013, o desemprego nacional atingiu um pico histórico: 826,7 mil desempregados. Em junho deste ano, ao fecho do segundo trimestre, as contas do Instituto Nacional de Estatí...



DEIXE O SEU COMENTÁRIO




ÚLTIMOS EMPREGOS


.NET DEVELOPER @LIDYA - PORTO

Spring Professional Portugal

ACCOUNT MANAGER

Spring Professional Portugal