Notícias

Luxo, o factor estratégico do negócio

Luxo, o factor estratégico do negócio

O sector dos bens de luxo tem crescido, nas últimas duas décadas, a uma média de 6% ao ano. A tendência não é exclusivamente nacional. Na verdade, Portugal segue nesta matéria o que vem sendo prática na Europa onde o sector é já um dos motores da economia. A Glion Institute of Higher Education decidiu criar um curso a pensar nas empresas que procuram de especialistas em gestão de luxo.

03.12.2016 | Por Cátia Mateus


  PARTILHAR
LinkedIn Twitter Facebook Google+



A Economist Intelligence Unit aponta Lisboa como o sétimo melhor destino de compras da Europa. Ao longo dos últimos anos, o fluxo de turismo de luxo tem chamado a atenção das marcas de internacionais que têm reforçado a sua presença em solo nacional – basta percorrer a Avenida da Liberdade ou o Chiado para identificar algumas das melhores insígnias mundiais – alimentando o designado retalho de luxo.

Casos como a crescente dinâmica do imobiliário topo de gama e do sector automóvel, que registado forte dinâmica de vendas a nível nacional, demonstram também como o país segue a tendência europeia de crescimento deste segmento de mercado que registou nos últimos anos volumes de vendas na ordem dos €600 milhões, cerca de 4% do Produto Interno Bruto (PIB) da União Europeia. Foi a pensar neste Mercado que a escola internacional de gestão hoteleira Glion Institute of Higher Education, com campus na Suíça e no Reino Unido, criou um curso de licenciatura com especialização em Luxury Brand Management.

O curso alia a gestão e marketing de marcas de luxo ao profissionalismo adquirido com os conhecimentos de gestão hoteleira. Segundo a escola, “esta combinação permite uma versatilidade de carreira em setores de grande crescimento como o luxo, hotelaria, eventos e lazer”. Os conteúdos programáticos da formação focam-se em dotar os participantes com um conjunto de ferramentas que permitam compreender o comportamento dos consumidores, aprofundar conhecimento de públicos-alvo de luxo, adquirir competências para o desenvolvimento de produtos de luxo, preços, merchandising, estratégias de compra e distribuição, bem como definir planos de comunicação, de meios e de marketing.

Com data de inicio marcada para janeiro de 2017, a licenciatura em Luxury Brand Management vai aceitar também candidaturas nacionais. De resto, “são cada vez mais os alunos portugueses a apostar numa formação internacional na escola”, explica Pedro Martins, reforçando que a licenciatura representa uma “oportunidade para singrar numa área em grande ascensão e com elevados níveis de empregabilidade como é o mercado de luxo”.



OUTRAS NOTÍCIAS
Há 1462 vagas nas melhores empresas para trabalhar

Há 1462 vagas nas melhores empresas para trabalhar


Até ao final de 2016, as 25 melhores empresas para trabalhar em Portugal classificadas no ranking anual da revista EXAME têm 212 vagas para preencher. O número sobe para as 1250...

Novo contact centre da Randstad emprega 300

Novo contact centre da Randstad emprega 300


A Randstad Portugal e a Câmara Municipal de Vila Real assinaram um protocolo com vista à instalação de um novo contact centre da empresa na região. A nova platafor...

Programa nacional de reconversão de bancários a caminho da Europa

Programa nacional de reconversão de bancários a caminho da Europa


Nos últimos anos, a banca portuguesa tem vindo a reduzir efetivos a uma média de dois mil profissionais por ano. Em 2016, segundo o presidente do Sindicato Nacional dos Quadros e T&ea...



DEIXE O SEU COMENTÁRIO




ÚLTIMOS EMPREGOS


Advogado

Anónimo

Assistente Financeiro

PCI – Portline Containers Internacional