Notícias

Empresas formam o que o mercado não tem

Empresas formam o que o mercado não tem

Portugal tem falta de profissionais qualificados na área das Tecnologias de Informação. O problema não é só nacional e tem levado a Europa a definir como prioridade a reconversão profissional e capacitação de perfis com formação base noutras áreas, para carreiras no sector tecnológico. São já muitos os casos de sucesso, mas o equilíbrio entre as competências disponíveis no mercado e as necessidades concretas das empresas ainda está longe de alcançar. Onde podem as organizações recrutar estes profissionais? Que tipo de perfis cabem nestes programas de reconversão? 

08.04.2016 | Por Cátia Mateus


  PARTILHAR
LinkedIn Twitter Facebook Google+



“Existem atualmente um milhão de postos de trabalho vagos no sector das Tecnologias de Informação por falta de profissionais qualificados”. É Marco Barata, head of Recruitment da consultora Cross Border Talents (CB Talents) para a área das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) quem avança o número. O especialista fala de um evidente desajuste no mercado de trabalho europeu nesta área e realça a importância da promoção da literacia digital, através da aprendizagem de conceitos de código, e da reconversão profissional como forma de colmatar o problema e assegurar a integração de profissionais qualificados nas empresas. Uma orientação onde, garante, cabem perfis de quase todas as raízes formativas.

A ideia de que não é necessário ter uma formação base na área das engenharias ou das matemáticas para consolidar uma carreira no sector tecnológico tem vindo a ganhar escala, à medida que aumenta a dificuldade das empresas em contratar profissionais qualificados. Somam-se a nível global vários exemplos de empresas do sector tecnológico que para dar resposta às crescentes necessidades de contratação, criaram academias internas para a formação dos seus profissionais. A Microsoft uniu sob a chancela “Ativar Portugal” um vasto leque de parceiros focados na ambição de potenciar a tecnologia como motor de crescimento económico e estimular o aumento da empregabilidade e de novas oportunidades de negócio no sector. A SAP anunciou recentemente uma parceria com a NOVA IMS, a escola de Gestão da Informação da Universidade Nova, com vista à criação de um centro de desenvolvimento de competências numa universidade europeia, fora da Alemanha, que permitirá a formação tecnológica e a capacitação digital de 300 profissionais por ano. Até 2020, serão 1500 profissionais em Portugal. A InvestBraga, tem uma parceria semelhante com o Instituto do Emprego e Formação Profissional e a Universidade do Minho. Juntos deverão formar até ao final deste ano 200 novos profissionais na área das TI.

Foi também com a missão de colmatar dificuldades de contratação e escassez de perfis qualificados sentidas pelas empresas clientes que a consultora Olispo criou a IT Academy, no início deste ano. Tiago Catarino, diretor comercial da empresa confirma a crescente dificuldade sentida pelos empregadores da área tecnológica em preencher vagas em aberto e a necessidade de acelerar a formação de novos profissionais. “O objetivo da IT Academy é desenvolver competências tecnológicas de profissionais em início de carreira, com formação base na área das TI, para colmatar as necessidades do mercado integrando-os em projetos de vários sectores de atividade”, explica. Desde que foi criada, a IT Academy já colocou no mercado 12 talentos. Tiago Catarino estima ainda durante este primeiro ano de atividade formar e integrar 50 profissionais em empresas, nas áreas de Desenvolvimento Web e Plataformas Mobile, tecnologias Oracle e Microsoft e Redes e Telecomunicações. A IT Academy da Olisipo está claramente focada em perfis que tenham já algum background na área tecnológica - foco da atividade desta empresa que recruta cerca de 200 profissionais por ano -, ao contrário do que sucede na Academia CB Talents.

Os números da consultora CB Talents mais ambiciosos. “A Academia CB Talents tem como missão recrutar, formar e empregar 500 mil profissionais das TI, com o objetivo de colmatar o défice de recursos humanos até 2020”, explica Marco Barata. O contexto de decisão e atuação desta consultora é global e foca-se na criação dos designados “talentos sem fronteiras”. “Temos clientes em determinados países que requerem um conjunto de competências difíceis de encontrar nos seus mercados. A CB recorre à sua rede de recrutadores, dispersos globalmente, o que permite receber talentos sem fronteiras e mobilizar profissionais e competências entre os países”, explica.

O sucesso alcançado com este posicionamento levou a Comissão Europeia a selecionar a Academia CB Talents, entre mais de seis mil empresas que se candidataram ao programa Horizonte 2020, como uma boa prática na área da mobilidade laboral entre países da Europa, integrando a Grand Coaliation for Digital Jobs. Marco Barata, realça que “o sector TIC apresenta plena empregabilidade e salários 40% acima das médias nacionais” e enfatiza que a academia “está preparada para aceitar candidatos de todas as áreas profissionais. Acreditamos que o importante é terem atitude correta e predisposição para trabalhar”. A empresa atrai candidatos de vários países e transforma-os em potenciais candidatos a um emprego tecnológico junto das empresas suas clientes e está não só focada em perfis com background tecnológico, mas também, garante Marco Barata, em jovens profissionais e desempregados.



OUTRAS NOTÍCIAS
Sonae procura talentos globais

Sonae procura talentos globais


No ano em que celebra 30 anos de existência, o Programa Contacto volta a captar talentos de elevado potencial para o universo Sonae. Até 10 de abri, domingo, o Grupo Sonae está a r...

Portugal a Recrutar: quem está a criar emprego

Portugal a Recrutar: quem está a criar emprego


Portugal fechou 2015 com uma taxa de desemprego na ordem dos 12,2%, segundo as contas do Instituto Nacional de Estatística, relativas ao quarto trimestre do ano. Os dados mais recentes do Euros...

Para onde vão os portugueses qualificados?

Para onde vão os portugueses qualificados?


Ainda que os especialistas em recrutamento e seleção reforcem que não se deve olhar para o fenómeno da emigração qualificada, exclusivamente, na perspetiva da...



DEIXE O SEU COMENTÁRIO




ÚLTIMOS EMPREGOS