Notícias

Competências: o que as empresas procuram

Competências: o que as empresas procuram

O equílibrio do mercado laboral vive, entre outros fatores, da capacidade das escolas responderem na formação de profissionais, às reais necessidades das empresas. Uma meta que os especialistas em recrutamento tendem a apontar como utópica. Em Portugal, como noutros países, o gap entre as prioridades de contratação das empresas, as competências que procuram, e os perfis dos profissionais disponíveis no mercado é grande. Pode parecer estranho mas, garantem os recrutadores, que em solo nacional ainda é difícil encontrar profissionais com softskills orientadas para a inovação, polivalência de funções ou visão estratégica.

08.05.2015 | Por Cátia Mateus


  PARTILHAR
LinkedIn Twitter Facebook Google+



O que distingue Portugal dos Estados Unidos no que ao gap entre as competências dos profissionais e as necessidades reais das empresas diz respeito? Nada de muito significativo. Segundo um estudo realizado pela agência Bloomberg em parceria com a consultora Cambria Consulting e recentemente divulgado, o The Bloomberg Recruiter Report, as dificuldades dos recrutadores e dos profissionais americanos são, na verdade, muito semelhantes às vividas em Portugal no que diz respeito à contratação. O estudo, cujo objetivo era identificar as competências que as empresas querem atrair mas não conseguem encontrar entre os profissionais disponíveis, identifica como entre as competências tidas como vitais para as empresas, mas difíceis de encontrar, o pensamento crítico e estratégico, a criatividade e orientação para a resolução de problemas, entre outras.?

Se é candidato a um emprego esqueça argumentos como visão global do negócio e da carreira, a capacidade de decisão e assunção de riscos, a postura empreendedora, a motivação ou a capacidade de adaptação. Não é que que não sejam competências relevantes no mercado laboral, simplesmente já não são diferenciadoras para as empresas e tornaram-se insuficientes para o distinguir dos outros candidatos. A afirmação é avançada pela Bloomberg que aponta qualquer uma destas softskills como as menos valorizadas pelas empresas. Segundo a agência, "as escolas devem adequar os seus objetivos para a formação de profissionais com as competências mais necessárias às empresas, sejam elas técnicas ou comportamentais. Mas a realidade demonstra que há desiquílibrios nesta matéria”. O estudo realizado pela agência inquiriu 1320 recrutadores de mais de 600 empresasa americanas para descobrir - de forma global, mas também sectorial - as competências que os empregadores procuram, mas que as escolas não estão a valorizar nos seus planos currículares.

?Em Portugal, o cenário não é muito diferente. O painel de recrutadores inquiridos pelo Expresso confirma-o. Carlos Sezões, partner da consultora de recrutamento Stanton Chase confirma que Portugal tem carência de profissionais, essencialmente nas áreas técnicas, da engenharia e das tecnologias. Mas a desadequação entre a procura das empresas e a oferta de profissionais no mercado não está apenas patente ao nível da qualificação técnica. O especialista reconhece a extrema relevância das competências não formais para os empregadores e clarifica a dificuldade das empresas nacionais em encontrar perfis disponíveis com “resiliência, capacidade de liderança, criatividade e capacidade de inovação”, mas também “de planeamento e análise estratégica”. A esta lista Álvaro Fernandéz acrescenta a polivalência que pode parecer um senso comum, mas que o líder do PageGroup apresenta como uma das grandes batalhas das empresas num processo de contratação. “Por ser uma necessidade mais recente, a disponibilidade para executar tarefas que não pertencem ao core da função é um tipo de competência que pode gerar nos profissionais alguma resistência à partida”, explica Álvaro Fernandéz, acrescentando que “há cada vez amis a consciência da necessidade de ser polivalente para ter sucesso no seio de uma organização”.?

No contexto em que as softskills assum



OUTRAS NOTÍCIAS
Gerir como um samurai

Gerir como um samurai


Entre a filosofia das artes marciais e a gestão quotidiana de equipas ou empresas há muito mais semelhanças do que diferenças. Hugo Silva, market director da Whirlpool Port...

Prime IT volta a contratar

Prime IT volta a contratar


A tecnológica portuguesa Prime IT quer superar este ano a fasquia dos 650 profissionais na sua equipa. Para isso tem previsto realizar 230 novas contratações até ao final d...

Empresas reforçam gestão de talento

Empresas reforçam gestão de talento


No segmento da Gestão, os especialistas em recursos humanos figuraram, no mês de abril, na terceira posição entre os mais procurados pelas empresas nacionais, logo a seguir ...



DEIXE O SEU COMENTÁRIO




ÚLTIMOS EMPREGOS


ACCOUNTS PAYABLE ACCOUNTANT

Michael Page Portugal

ADVOGADO SÉNIOR

Spring Professional Portugal