A sua carreira é o nosso trabalho
Empresas

    Voltar
  CIP quer cluster capaz de gerar 500  
  Dolce Vita ajuda a fomentar novos n  
Bruxelas quer menos carga fiscal sobre o trabalho

Bruxelas quer menos carga fiscal sobre o trabalho



19.04.2012 | Por Cátia Mateus

A redução da carga fiscal sobre o trabalho e o incremento ao empreendedorismo e criação de empresas são as mais recentes bandeiras da Comissão Europeia que esta semana apelou aos Estados-membros um reforço efetivo nas suas políticas de emprego.

Os elevados índices de desemprego jovem que afetam a Europa estão a deixar cada vez mais apreensiva a Comissão Europeia que esta semana apelou aos Estados-membros da União Europeia que reforçassem as respetivas políticas de emprego, nomeadamente através da redução da carga fiscal e do apoio à iniciativa empresarial.

Numa proposta apresentada em Estrasburgo, à margem da sessão plenária do Parlamento Europeu, a equipa liderada por Durão Barroso, apelou a um reforço na criação de emprego e definiu formas que possibilitem aos Estados-membros incentivar a contratação, através da clara redução da carga fiscal associada ao trabalho ou de um apoio acrescido à criação de novas empresas, capazes de gerar novos postos de trabalho.
Na proposta, a Comissão europeia identifica também as áreas com maior potencial de criação de emprego no futuro. Serviços de saúde, tecnologias de informação e comunicação e a designada ‘economia verde’ lideram o ranking das áreas onde vale a pena apostar para diminuir o desemprego na Europa, numa altura em que como refere Laszlo Andor, comissário europeu responsável pelo Emprego “os níveis de desemprego na UE já atingiram níveis dramáticos e inaceitáveis”.

Segundo o comissário, “a criação de emprego deve passar a ser uma verdadeira prioridade europeia” e Laszlo Andor acrescenta mesmo que “para que possamos repor uma situação de crescimento e dar resposta às principais mudanças de caráter estrutural designadamente, uma economia mais ecológica, o envelhecimento demográfico, o progresso tecnológico ou as economias emergentes, a União Europeia necessita de um mercado de trabalho dinâmico e inclusivo”.

Para a Comissão Europeia, há muito que se tornou claro que é necessário proceder a reformas de base nos Estados-membros, para assegurar que os respetivos mercados de trabalho se tornem dinâmicos e inclusivos e, como tal, capazes de reagir à evolução económica com a necessária agilidade.

Neste sentido, a Comissão Europeia quer ver aplicadas medidas de estímulo á flexibilidade interna de modo a reduzir a insegurança no emprego e os custos orçamentais, mas também considera essencial “estabelecer salários dignos e sustentáveis e evitar situações em que as pessoas vivem perpetuamente de salários baixos”.

Segundo a Comissão Europeia, há algumas áreas com forte potencial. A designada ‘economia verde’ pode, segundo a equipa liderada por Durão Barrosos, criar cerca de 20 milhões de postos de trabalho até 2020. Razão pela qual Bruxelas aconselha os países a explorarem estas áreas de futuro e a incluírem o ‘emprego verde’ nos seus planos nacionais de emprego reforçado a formação nestas áreas.

A partir de 2013, a Comissão Europeia quer introduzir um quadro de desempenhos para acompanhar os progressos dos Estados-membros na aplicação dos planos nacionais de emprego. “Para reforçar o envolvimento dos parceiros sociais europeus e nacionais na elaboração das políticas de emprego, a Comissão Europeia avançou com um projeto à escala europeia, tendo em vista o intercâmbio de pontos de vista e o acompanhamento da evolução salarial”, explica o comissário.

E Portugal é um dos países onde a taxa de desemprego geral e de desemprego jovem, assume índices mais preocupantes, O secretário de Estado adjunto da Economia e Desenvolvimento Regional, António Almeida Henriques, e o secretário de Estado do Emprego, Pedro Silva Martins, reuniram esta semana com Laszlo Andor, para discutir o plano estratégico de iniciativas para empregabilidade jovem e de apoio às PME “Impulso Jovem” que o Governo português apresentou a Bruxelas em março, na sequência do apelo de Durão Barroso para combater as taxas mais elevadas de desemprego jovem entre os Estados-membros. A CE avaliou positivamente o programa do Governo português abrindo caminho à reprogramação dos fundos comunitários que deverá estar concluída até final de maio e que beneficiará cerca de 77 mil jovens.

    Voltar
  CIP quer cluster capaz de gerar 500  
  Dolce Vita ajuda a fomentar novos n  


Deixe o seu comentário




 
Publicidade
Siga-nos: Facebook Expresso Emprego Twitter Expresso Emprego Linkedin Expresso Emprego

Publicidade


Formação Em Destaque...   Formação
 

Quantitative Analyst

Randstad Professionals

Responsável Desporto

Decathlon Montijo

Arquiteto

Decathlon Portugal

Gestor de Projecto

RAY Human Capital

Senior Consultant

Randstad Professionals

Hr Generalist

Randstad Professionals
 

Publicidade

©2014 | Expressoemprego | Todos os direitos reservados