Notícias

6 mandamentos para uma boa carta de apresentação

6 mandamentos para uma boa carta de apresentação

Na era do LinkedIn, a carta de apresentação não passou de moda e é requisito obrigatório para quem se candidata a um emprego. E se bem redigido, este documento de uma página que acompanha o seu currículo ou perfil de LinkedIn explicando o que faz de si o candidato certo para a função, pode fazer toda a diferença na conquista de um emprego.

04.03.2018 | Por Cátia Mateus


  PARTILHAR
LinkedIn Twitter Facebook Google+



1 Não às cartas pré-formatadas
Cada candidatura é única. Cada carta de apresentação também. Elabore o documento adequando-o à cultura da empresa a que se candidata.
 
2 Mais do que um resumo do currículo
A carta de apresentação não é um resumo do CV, embora possa dele conter referências. Encare-a como uma carta de propósitos em que apresenta as suas ambições e conquistas de carreira.
 
3 Relacione a sua experiência com a função
Relacionar as suas competências e experiência com a função a que se está a candidatar e os propósitos de vida e carreira e com os requisitos elencados no anúncio de emprego, é fundamental. 
 
4 Use palavras-chave
Uma forma eficaz de adaptar a sua carta de apresentação à vaga disponível é utilizar na carta as mesmas palavras-chave que constam na oferta de emprego, sobretudo as que lhe pareçam vitais para a função, articulando-as sempre com as suas competências. 
 
5 Explique como pode acrescentar valor
Oriente a sua carta para demonstrar ao recrutador, com exemplos práticos, de que forma pode acrescentar valor à empresa. Elenque as principais conquistas alcançadas em funções anteriores, como o lançamento de novos produtos, implementação de estratégias e outras. 

6 Procure exemplos
Inspire-se noutras outras cartas de apresentação e não esqueça de rever a sua carta várias vezes. Erros ortográficos não são permitidos. 


OUTRAS NOTÍCIAS
Universidades recusam integração de precários

Universidades recusam integração de precários


Professores convidados, investigadores e bolseiros de investigação são trabalhadores no centro da polémica no programa de regularização extraordinária ...

Quando o que conta é a pergunta certa

Quando o que conta é a pergunta certa


“No futuro, o mais importante não é ter a resposta, mas sim saber fazer as perguntas certas”, afirma Ramon O’Callaghan, presidente da direção da Porto Bus...

Talkdesk 'caça' disruptores

Talkdesk 'caça' disruptores


Entre os escritórios de Lisboa, Porto e São Francisco (nos Estados Unidos da América), onde detém a sua sede, a startup portuguesa de desenvolvimento de soluçõ...



DEIXE O SEU COMENTÁRIO




ÚLTIMOS EMPREGOS